Início > Águas Amargas, Balde de baboseiras, Morte na Panela, Promiscuidade de doutrinas, sinais dos tempos, vídeo > Samuel Ferreira "em transe" na AD do Brás e com os pés cobertos de dinheiro!

Samuel Ferreira "em transe" na AD do Brás e com os pés cobertos de dinheiro!


O Pr. Samuel Ferreira, líder da tradicional comunidade Assembléia de Deus do Brás, adota estranhas doutrinas e causa comoção na internet ao ser visto em vídeo, não autorizado, realizando estranha performance durante um culto. Em evidente estado de alteração mental ou “transe”, o pastor tem seus bolsos cheios e pés cobertos de dinheiro, lançado pelos membros de sua comunidade que fizeram fila para semear um dízimo profético.

Nota de Ten Lion: Esse costume estava aflorando nos EUA no ano passado, e esperava eu que não chegasse na Terra Brasilis, mas para minha decepção, mais uma palhaçada nos é enviada pelos yankees da fé.

Veja que idéia “BRILHANTE”:

Samuel Ferreira misturou as performances teatrais de Marco Feliciano e Cia Ltda. com as unções financeiras de Silas o Malafaia e Morris Cerrullo!

Recentemente, protagonizou um “show” na Assembléia de Deus do Brás, juntamente com um tal “Profeta Wesley”. Na ocasião, fez um grande jogo de cena com o seu convidado e se deixou envolver nas mais variadas exibições de doutrinas estranhas. Finalizou o espetáculo sendo colocado em “seu trono” para receber uma forte “unção” que o deixou “desmaiado” para ser acordado “ainda em transe” com os bolsos e o chão à volta de seus os pés completamente cheios do dinheiro jogado pela platéia do evento.
Segundo uma testemunha, que faz o relato abaixo, alguns poucos membros deixaram o prédio contrariados e constrangidos com os acontecimentos. Juntaram-se aos muitos que tem abandonado a congregação do Brás, desde que estes “ventos estranhos de doutrina” chegaram à tradicional comunidade.
Nos comentários a este artigo é possivel identificar alguns destes ex-membros contrairiados.
Veja o relato de um irmão (membro da AD do Brás) presente ao “evento”:
Esse “profeta Wesley”, disse, no meio de sua pregação, que o povo ia fazer um ato profético: o dízimo profético. O povo foi conclamado a levar dinheiro para “o profeta”. Ele deixou bem claro que o dinheiro não era pra missões, nem para a igreja. Era para o profeta!
Então, perguntou se havia um médico na platéia, pois o Rev. Samuel não aguentaria em pé, pois receberia uma rajada de unção. O pregador então disse para o povo vir até a frente, colocar o dinheiro no bolso do reverendo e tocar nele, pois ele (o reverendo) faria o milagre acontecer. E assim foi, centenas de pessoas em fila indiana colocando dinheiro no bolso do homem, enquanto esse Wesley dizia: “Toca nele e sai… toca nele e sai…”
Nisso, ele balançou… trouxeram a cadeira pra ele, afrouxaram-lhe a gravata e os bolsos já estavam lotados. É nesse momento que o povo começa a jogar o dinheiro aos pés dele.
Ele parecia completamente catatônico, fora de si, como bêbado.

Quando acabou a fila, o Wesley diz: “Agora, a Miss. Keyla, esposa do Samuel, vai dizer uma palavra no ouvido dele e ele vai voltar” o vídeo a seguir foi gravado neste momento (sic).

 

 

Postou Danilo Fernandes no Geniz

  1. kkkkkkkkkkkk
    04/01/2013 às 13:12

    eu nao vo acreditar em saitinho de gentinha. quem escreve isso tem inveja.

  2. kkkkkkkkkkkk
    03/01/2013 às 22:43

    eu nao vou acreditar em saitinho qualquer. se ele tiver roubando to nem ai ele vai se ver com deus. vou nessa igreja e vou la pela pregaçao

  3. Juliana Peoença
    19/03/2012 às 10:23

    Somente uma coisa… Todos serão responsáveis perante Deus segundo as suas obras e somente Deus pode julgar e além disso ele prestará contas do que ele tem feito ou até mesmo não tem feito.Então deixemos tais coisas nas mãos de Deus pois ELE somente ele decidirá o que é melhor ao seu povo e somente perante a Sua perfeita vontade traçará nosso caminho e se o mesmo não estiver debaixo da vontede divina de Deus as consequências virão. Deixo-lhes versículos para que façam umqa auto-reflexão e vivam o melhor de Deus para as vossas vidas e esqueçam a vida dos irmãos.
    II Coríntios 5 versículo 10 “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal”.
    Os crentes terão, um dia, de prestar contas “No tribunal de Cristo”, de todos os seus atos . Todos os crentes serão julgados; não haverá exceção ,
    Romanos 14 versículo 10 Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo.
    I Coríntios 3 versículo 14 Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão.
    Eclesiastes 12 versículo 14 Porque Deus há de trazer a juízo toda a obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.
    Esse julgamento ocorrerá quando Cristo vier buscar a sua igreja.
    I Tessalonicenses 4 versículo 16 Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
    João 5 versículo 22 E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo.
    IITessalonicenses 4 versículo 8 Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.
    Esse julgamento é para sua salvação ou condenação. É um julgamento de obras.
    Mateus 25 versículo 41 Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.
    Apocalipse 20 versículos 11 E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles. 12 E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. 13 E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras . 14 E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. 15 E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.
    Tudo será conhecido, Deus examinará os nossos atos mais secretos.
    Eclesiastes 12 versículo 14 Porque Deus há de trazer a juízo toda a obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau .
    Marcos 4 versículo 22 Porque nada há encoberto que não haja de ser manifesto; e nada se faz para ficar oculto, mas para ser descoberto .
    Romanos 2 versículo 16 No dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Jesus Cristo, segundo o meu evangelho; as palavras .
    Mateus 12 versículos 36 Mas eu vos digo que de toda a palavra ociosa que os homens disserem hão de dar conta no dia do juízo. 37 Porque por tuas palavras serás justificado, e por tuas palavras serás condenado .
    Nossas obras Efésios 6 versículo 8 Sabendo que cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer, seja servo, seja livre .
    Nossas atitudes , Mateus 5 versículo 22 Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno, 4 Porque em nada me sinto culpado; mas nem por isso me considero justificado, pois quem me julga é o Senhor.
    I Coríntios 4 versículo 5 Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor, falta de amor .
    Colossenses 3 versículos 23 E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, 24 Sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis. 25 Mas quem fizer agravo receberá o agravo que fizer; pois não há acepção de pessoas. Não há condenação só para que anda segundo Espírito.
    Romanos 8 versículo 1 Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.
    Tiago 2 versículo 24 Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé. 26 Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta.
    Efésios 2 versículo 8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas.
    Romanos 2 versículos 5 E, se a nossa injustiça prova a justiça de Deus, que diremos? Acaso Deus, que castiga com ira, é injusto? 6 O qual recompensará cada um segundo as suas obras; a saber: 7 A vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, honra e incorrupção; 8 Mas a indignação e a ira aos que são contenciosos, desobedientes à verdade e obedientes à iniqüidade.
    Obs. crer no senhor JESUS e serás salvo tu e tua casa, aquele que crer em mim fará a mesma obra.
    Efésios 4 versículo 10 Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.
    I Tessalonicenses 4 versículo 14 Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele.
    Romanos 6 versículo 22 Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.
    Efésios 4 versículo 24 E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade.
    I Tessalonicenses 4 verso 7 Porque não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação. I Pedro 4 verso 8 Mas, sobretudo, tende ardente amor uns para com os outros; porque o amor cobrirá a multidão de pecados.
    Lucas 6 versículo 46 E por que me chamais, Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?
    Mateus 7 versículos 21 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22 Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
    Mateus 25 versículos 45 Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim. 46 E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.
    Portanto muitos crentes acha que estão salvos , estão completamente enganados , dizem eu aceitei Jesus como meu único salvador estou salvo, cuidado examine as escritura e verá que tem vida eterna.
    João 5 versículo 39 Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam.
    II Coríntios 13 versículo 5 Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados .
    Ficam preso nestes versiculos : João 3 versículo 18 Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus
    João 3 versículo 15 Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
    Marcos 16 versículo 16 Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.
    João 5 versículo 44 Como podeis vós crer, recebendo honra uns dos outros, e não buscando a honra que vem só de Deus?
    Mas leia abaixo,aquele que vive no pecado não creem:
    João 16 versículo 9 Do pecado, porque não crêem em mim.
    João 7 versículo 38 Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre.
    Virá o dia do juizo final você pode até crer , mas não pratica e então não será salvo, muito cuidado.
    João 5 versículo 29 E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação.
    Tiago 2 versículo 24 Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé.
    Romanos 3 versículo 7 Mas, se pela minha mentira abundou mais a verdade de Deus para glória sua, por que sou eu ainda julgado também como pecador?
    Efésios 2 versículos 8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie.9 Não vem das obras, para que ninguém se glorie; 10 Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas.
    Obs. crer no senhor JESUS e serás salvo tu e tua casa, aquele que crer em mim fará a mesma obra.
    Efésios 4 versículo 10 Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas. Salmos 9 versículos 7 Mas o SENHOR está assentado perpetuamente; já preparou o seu tribunal para julgar. 8 Ele mesmo julgará o mundo com justiça; exercerá juízo sobre povos com retidão.
    Salmos 62 versículo 12 A ti também, Senhor, pertence a misericórdia; pois retribuirás a cada um segundo a sua obra.
    Apocalipse 20 versículo “12 E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras”

  4. Jonh
    06/02/2012 às 01:29

    Esse indivíduo ai e um pilantra safado,
    Até quando as pessoas vão ser enganada
    Eu fui dessa igreja ai, mais sair quando descobri onde estava me metendo,
    Tive um pastor presidente da assembléia de Deus AD Braz do Campo de são caetano do Sul, chamado de Pr. Aparecido Dias ele saiu com duas garota e bebeu e capotou o carro e depois de tudo isso o filho PT na reunião de obreiros veio com blá blá blá, e esse pilantra do Samuel Ferreira encobriu tudo mandou o Pr. Pastor Apodrecido (rsrsr) pra dirigir um campo no RJ

  5. Anônimo
    30/01/2012 às 10:08

    vamos orar pois é licito que tudo isto esteja acontecendo estão esquecendo das almas temos que vigiar……

  6. Anônimo
    03/11/2011 às 08:12

    claudio :
    Nem Vou Comentar , mais conheci o samuel eu era muleque , eu subia a treze de maio junto com ele e o izaias filho do pastor san tiago , o isaias era o baterista da umadec, jente , que decepção hen , eu fui o primeiro apresentador do programa palavra de vida quando era tranmitida das 2 horas da madrugada ate a s3 pela emissora dario nova de sumaré , e hj hem , que posracria , que comentarios , que decepção , sabe amigos , que bom se o tempo voltasse.
    claudio , lamentos pelo irmão samuel .
    meu pesamos a sua pessoa De Deus

    BELO OBREIRO DANDO ESTE TIPO DE EXEMPLO….. INCRIVEL….. O POVO TRAI…… COMO DISSE JOÃO BATISTA ” RAÇA DE VIBORAS”

  7. rafaelsousa
    03/07/2011 às 16:27

    é muito dificil um leigo no assunto, entender estas coisas pporque e nos dito de uma forma tao convincente por lideres religiosos =, que nem sabemos por onde correr, mas devemos saber que somos o corpo de cristo(igreja) portanto opniao minha devemos colaborar com a igreja. sendo que aqua , luz, aluquel, e outros nao se pagam sozinhos, mas acima devemos ver que nao por cobrança abusiva e ate a humiliaçao dos lideres que só faltam aportar pra quele que nao é dizimista. eu acredito que a colaboraçao com a obra e valida, cada um ao teu modo, se vender tua unica casa, e der o dinheiro , vc ira morar aond?.

  8. «73n £1Øn»
    30/04/2011 às 11:34

    Até que esttava indo bem, mas quando começou a falar do batismo… lá vem bobagem…

  9. ADEMIR J. C.
    28/04/2011 às 13:52

    Quero dizer que não tem coisa mais gostosa que subir num palco (pulpito) e
    pregar o evangélio, é tão gostoso que até o diabo gosta, e faz isso melhor do que –
    qualquer servo de DEUS, pois sabemos que ele viveu a história, enquanto nós lemos ou
    ouvimos falar, e o nome dele é “diabo” que quer dizer “enganador” e o melhor jeito
    de enganar um politico é se passando por politico, de enganar um jogador é se passan
    do por um jogador, de enganar um bandido é se passando por um bandido,DE ENGANAR UM CRENTE É SE PASSANDO POR CRENTE … etc;

    Ele, para enganar sedentos se passa por dono da aqua,sabe que o povo gosta de
    colarinho branco,perfumado e bem falante,que pregam benção, prosperidade, paz. e
    alegria no coração,por (EX: O mar vai abrirrrr se não abrir voce vai passar por cima
    deleeee, o leão não vai te engolir,fique tranquilo, este fogo não vai te queimar,
    faça um alarido e esta muralha vai cair,esta porrta vai se abrirrrr,voce vai conseguir
    é só profetizar a sua benção e prontoooo,)etc;;

    O diabo não vai usar alguem com Q.I baixo (pouca inteligencia)porque a intenção é
    arrastar multidoes para o inferno,pensando que estão indo para o céu ,e para isto seus
    adeptos tem que ser “sábios”amar a fama,o dinheiro e palcos (pulpitos), porque é facil
    levar ao inferno através da macumba, candoblé, catolicismo, feitiçarias, espiritismo,
    magias etc…isto tudo pra ele é nada,não é engano dele, pois ele é tudo isto mesmo,mas para fazer juz ao seu nome “ENGANADOR” precisa se passar por DEUS se asentar como DEUS e falar como se fosse DEUS, puxa! isto sim é dificil, não é? para ele não, pois é o que lhe faz juz “ENGANAR”.As profecias tem que se cumprir, sim ou não… Disse JESUS que em nossos dias haveriam “muitos deles” e “enganariam”a muitos,se
    possivel “fosse” até os escolhidos . mas o proprio JESUS deu o escape para os que querem ser escolhidos, “DISSE ” acautelai-vos,saí do meio “deles” , os que os ve, fuja
    pois são lobos devoradores trajados de ovelhas,falsos pastores , falsos mestres,prega-dores do evangélio (maldito) anatema. ¬¬¬JA ESTÃO EM NOSSO MEIO ? QUEM SÃO ?.

    É facil conhecer um “deles”, com olhos espirituais ,é claro,muito clamor a DEUS,muita lagrima, como eu fiz com medo de ser enganado e seguir um desses “falsos profetas” Ora! JESUS ,pedio para ser-mos SANTOS,em toda nossa maneira de ser,sendo SANTO como é SANTO aquele que nos chamou,sendo SANTO DE “CORPO” ALMA E ESPIRITO,sede SANTO porque DEUS é SANTO. buscai a DEUS de todo o seu coração com toda a força do seu entendimento. a igreja primitiva era assim, JOÃO BATISTA que só batizava em aguas correntes,(vivas),não batizava ninguem em pecado o povo que ia até ele pensava estar fiel as leis de Moisés e iam se batizar para receber o mesias que João pregavava, mas os enganadores e enganados (pecadores) tambem iam e o que ele dizia, “QUEM ENSINOU VOCES FUGIREM DA “IRA FUTURA” HIPÓCRITAS,RAÇAS DE VIBORAS voltem vão se limpar de todas suas más obras, por isto JESUS CRISTO honrrou JOÃO como o maior profeta de todos os tempos, ele foi totalmente “inverso” aos falsos profetas. ele (João)pregava contra o pecado ainda q com isso viesse a perder a cabeça, como aconteçeu.até o pecado do rei
    apontou….

    “NOTEM a diferença”,um falso profeta batiza voce,em “tanques,picinas”,e voce não é batizado,o batismo é em aguas correntes como JESUS ensinou dando o exemplo no “rio Jordão”, eles batizam em “TANQUES,PICINAS” para manter a igreja cheia,$$,”(DEUS quer quantidade ou qualidade?) batizam pessoas que ainda vivem nos vicios do cigarros, bebidas,jogos,prostituições,que vivem diante de TVs e cinemas colocando diante dos olhos tudo o que é mal, gerando lucros para estas organizações cinematográficas diabólicas, 100% da maçonaria ((busquem saber sobre isto na internet)), batizam divorciados vivendo com outra ou outro, “que é PECADO”, mulheres que não se trajam como as SANTAS mulheres do passado andam semi-nuas usam as pinturas de Jesabel, os pingentes os braceletes as argolas, freguentam praias, onde sorrindo, mostram como se fosse normal toda as suas vergonhas, homens que vivem em porfias(tudo que é disputado)por ex;futebol,boxe,etc:,esses, forçam os seus seguidores à “idolatria”vendendo a eles óleo santo,rosa santa(ungida),lencinho ungido,sal grosso ungido,cajadinho de moisés etc;…isto tudo não é seguir JESUS, e sim “perseguir” afrontar. apoiam enganos como , sapatinho de fogo,pula-pula,roda-roda,cair no poder de DEUS com assopro, tudo coisa do “ENGANADOR”QUE VEIO SE NÃO PARA MATAR,ROUBAR E DESTRUIR AS ALMAS,ENGANANDO como enganou a Éva …

    Meus queridos, negue-se a si mesmo toma a sua cruz e siga J E S U S , COMO OS 8 QUE ENTRARAM NA ARCA, COMO 2 QUE SAIRAM DO EGITO E ENTRARAM NA TERRA PROMETIDA, SEJA UM DAQUELES 11 QUE CEIARAM COM O MESTRE… APERTADA É A PORTA, ESTREITO É O CAMINHO QUE CONDUZ A S A L V A Ç Ã O .
    AS aves tem seus ninhos,os lobos seus covis O filho do homem não tem onde recostar a cabeça, ir a montes,igreja,jejuar e até orar todos os dias, pregar em praças,cadeias ou de casa em casa,tudo isto é sacrificio, e DEUS pergunta: me agrado mais de sacrificio do que de O B E D I E N C I A ? . DEUS quer primeiro, obediencia, aquele que crer sera salvo, crer é obedecer, se não é, nadar nadar e morrer na praia, com o apostolo PAULO não foi assim, nadou nadou e foi picado pela serpente na praia,mas por estar em “obediencia” ganhou a vida, e envergonhou satanaz. amém .
    JESUS fazia milagres p/ alimentar o povo, hoje o povo faz milagres p/ alimentar os falsos profetas.

  10. 04/02/2011 às 18:52

    Nem Vou Comentar , mais conheci o samuel eu era muleque , eu subia a treze de maio junto com ele e o izaias filho do pastor san tiago , o isaias era o baterista da umadec, jente , que decepção hen , eu fui o primeiro apresentador do programa palavra de vida quando era tranmitida das 2 horas da madrugada ate a s3 pela emissora dario nova de sumaré , e hj hem , que posracria , que comentarios , que decepção , sabe amigos , que bom se o tempo voltasse.
    claudio , lamentos pelo irmão samuel .
    meu pesamos a sua pessoa De Deus

  11. leonardo
    29/01/2011 às 10:05

    Dizimar não é uma doutrina cristã – Russel Kelly II
    Dizimar não é uma doutrina cristã (resumo da tese de Russel Kelly)s

    Introdução

    Este ensaio é um resumo do meu livro “Should the Church Teach Titing? – A Theologian’s Conclusions About a Taboo Doctrine” (Deveria a Igreja Ensinar a Dizimar? – Conclusões de um Teólogo Sobre Uma Doutrina Tabu). O próprio livro é uma versão ampliada de minha tese de Ph.D. Desafio os mestres da Bíblia a ousarem abrir em seus seminários uma pesquisa que promova estudos sobre este assunto, aos níveis de Master, Doctorate e Ph.D. Realmente, esta doutrina é importante demais para ser tão ignorada!
    Em muitas igrejas, hoje em dia, a doutrina de dizimar tem atingido o nível de escândalo moderno. Conquanto, por outro lado, os livros textos, a nível de seminário sobre Hermenêutica, e os teólogos omitam o dizimar, por outro lado a prática tem se tornado rapidamente uma exigência aos membros da igreja, nas várias denominações que insistem em dizer que estão embasadas nas sólidas doutrinas da Bíblia. Existe ainda uma crescente evidência de que os leigos que questionam a legitimidade do dizimar na Nova Aliança, são em geral criticados como criadores de casos ou taxados de cristãos imaturos [Esta é comigo mesma!].
    O Dizimar moderno baseia-se em falsas premissas – A declaração de uma denominação sobre mordomia é típica do que muitas outras ensinam sobre o dízimo. Ela diz que “Dizimar é o modelo bíblico e o ponto inicial que Deus tem estabelecido e que não deve ser substituído nem comprometido por nenhum outro modelo”. Ela acrescenta que o dízimo deve ser entregue a partir da renda bruta, o qual é devido à igreja, antes dos impostos.
    Os seguintes pontos deste ensaio vão contestar os ensinos usados para estruturar o dízimo com o que realmente diz a Palavra de Deus.

    Ponto # 1 – Os princípios de dar no Novo Testamento, na 2 Coríntios 8 e 9 são superiores ao dizimar.

    O falso ensino é que dizimar é uma exigência obrigatória, a qual sempre precede o dar voluntariamente. O dar voluntariamente precedia o dizimar.

    Os seguintes princípios de dar voluntariamente na Nova Aliança estão fundamentados na 2 Coríntios 8 e 9 (1). Dar é uma “graça”. A 2 Coríntios 8 usa oito vezes a palavra “graça”, referindo-se à ajuda aos santos pobres (2). Dar primeiro a Deus (8:5). (3). Dar-se a si mesmo para conhecer a vontade de Deus (8:5) (4). Dar em resposta ao dom de Cristo (8:9 e 9:15). (5). Dar com desejo sincero (8:8, 10, 12 e 9:7) (6). Não dar por causa de mandamento algum (8:8,10; 9:7). (7). Dar além de sua capacidade (8:3, 11, 12) (8). Dar para produzir igualdade. Isso que dizer que os que têm mais devem dar mais, a fim de suprir a incapacidade dos que não podem dar mais (8:12,14) (9). Dar com alegria (8:2). (10). Dar porque está crescendo espiritualmente (8:3,4,7). (11). Dar porque deseja crescer espiritualmente (9:8, 10, 11). (12). Dar porque está ouvindo o Evangelho ser pregado (9:13).

    Ponto # 2 – Na Palavra de Deus o dízimo é sempre apenas em alimento.

    O falso ensino é que os dízimos bíblicos incluem todas as fontes de renda.

    Não usem o Dicionário de Webster. Usem a Palavra de Deus para definir a palavra “dízimo”. Abram uma boa “Concordância Bíblica”. Vocês vão descobrir que a definição usada pelos advogados do dízimo está errada. Na Palavra de Deus o vocábulo “dízimo” não aparece sozinho. Embora já existisse dinheiro, a substância do dízimo divino jamais foi dinheiro. Ele era o “dízimo do alimento”. Isso é muito importante. ** Os verdadeiros dízimos bíblicos eram sempre somente o alimento proveniente das fazendas e rebanhos, somente dos israelitas que vivessem exclusivamente dentro da Terra Santa de Deus, as fronteiras nacionais de Israel ** A fartura provinha da mão de Deus e não da manufatura ou habilidade do homem.
    Existem 15 versos de 11 capítulos e 8 livros, de Levítico 27 a Lucas 11, que descrevem o conteúdo do dízimo. E o conteúdo jamais, repito, jamais incluía dinheiro, prata, ouro ou qualquer outra coisa, além de alimento. Mesmo assim, a definição incorreta de “dizimar” é a maior mentira que está sendo pregada sobre esse ato, hoje em dia. (Vejam Levítico 27:30,32; Números 18:27,28; Deuteronômio 12:17; 14:22, 23, 26; 2 Crônicas 31:5; Neemias 10:37; 13:5; Malaquias 3:10; Mateus 23:23 e Lucas 11:42).

    Ponto # 3 – O dinheiro era um item essencial …

    A falsa premissa é que troca de alimentos substituía o dinheiro.

    Um argumento de apoio para o dízimo não ser dado em alimentos é que o dinheiro não era amplamente disponível e a troca de alimentos deve ter sido usada para a maioria das transações. Este argumento não é bíblico. Somente o Livro de Gênesis contém “dinheiro” em 32 textos e a palavra acontece 44 vezes, antes que o dízimo fosse mencionado pela primeira vez, em Levítico 27. A palavra “dinheiro” também aparece muitas vezes de Gênesis a Deuteronômio.
    De fato, séculos antes de Israel ter entrado em Canaã, e começado a dizimar os alimentos da Terra Santa de Deus, o dinheiro já era um item essencial no dia a dia. Por exemplo, o dinheiro em forma de moedas de prata pago pelos escravos (Gênesis 17:12 +), pela terra (Gênesis 23:9 +), pela liberdade (Êxodo 23:11); multas da lei (Todo o Êxodo 21 e 22); dívidas do Santuário (Êxodo 30:12); votos (Levítico 27:3-7); taxas de pesquisa (Números 3:47+), bebidas alcoólicas (Deuteronômio 14:26) e dotes de casamento (Deuteronômio 22:29).
    Conforme Gênesis 47:15-17, os alimentos eram usados para troca somente depois que o dinheiro acabava. As leis bancárias e sobre a usura existem na Palavra de Deus em Levíticos, antes do dízimo. Desse modo, é falso o argumento de que o dinheiro não prevalecia sensivelmente no dia a dia. Mesmo assim, o conteúdo dos dízimos jamais incluía dinheiro dos produtos não alimentícios nem dos negócios.

    Ponto # 4 – O dízimo de Abraão a Melquisedeque se embasou numa tradição pagã.

    O falso ensino é que Abraão deu voluntariamente o dízimo porque foi essa a vontade de Deus.

    Contudo, pelas seguintes razões, Gênesis 14:20 não pode ser usado como exemplo para os cristãos dizimarem:

    1 – A Bíblia não diz que Abraão deu “voluntariamente” esse dízimo.
    2 – O dízimo de Abraão não foi um dízimo santo, da Terra Santa de Deus, produzido pelo povo santo de Deus.
    3 – O dízimo de Abraão foi do espólio de guerra, o que era comum a muitas nações.
    4 – Em Números 31, Deus exige apenas 1% dos espólios de guerra.
    5 – O dízimo de Abraão a Melquisedeque aconteceu apenas uma vez e Abraão mudava sempre de lugar.
    6 – O dízimo de Abraão não proveio de sua riqueza pessoal.
    7 – Abraão nada conservou para si mesmo, tendo devolvido tudo.
    8 – O dízimo de Abraão não é mencionado em nenhuma parte da Bíblia, a fim de respaldar o ato de dizimar.
    9 – Gênesis 14:21 é o texto chave. Visto como muitos comentários explicam o verso 21 como exemplo da tradição pagã árabe, é uma contradição explicar os 90% do verso 21 como pagãos, ao mesmo tempo insistindo-se em que os 10% do verso 20 eram a vontade de Deus.
    10 – Se Abraão serve de exemplo para o cristão dar 10% a Deus, então deveria também ser um exemplo para ele dar os restantes 90% a Satanás, ou ao Rei de Sodoma!
    11 – 0 Visto como nem Abraão nem Jacó tinham um sacerdócio levítico para manter, eles não tinham lugar algum onde entregar os dízimos, durante os seus muitos movimentos.

    Ponto # 5 – Dizimar não era o mínimo exigido de todos os Israelitas da Antiga Aliança

    O falso ensino é que todos deveriam começar a dar no mínimo 10%.

    Somente dos israelitas que tiravam o seu sustento de suas fazendas e da pecuária dentro de Israel era exigido que dizimassem segundo a Lei de Moisés. Sua prosperidade provinha da mão de Deus. Daqueles cuja prosperidade provinha da própria mão de obra e do seu artesanato o dízimo não era exigido em produto, nem em dinheiro. Os pobres e necessitados que não dizimavam, mas recebiam dízimos, esses davam ofertas voluntárias.

    Ponto # 6 – Os Primeiros Dízimos eram recebidos pelos servos dos sacerdotes.

    O falso ensino é que os sacerdotes do Velho Testamento recebiam todo o primeiro dízimo.

    A verdade é que o dízimo “completo”, o primeiro dízimo, não ia para os sacerdotes, de modo algum. Em vez disso, conforme Números 18:21-24 e Neemias 10:37, ele ia para os servos dos sacerdotes, os levitas. Em seguida, conforme Números 18:25-28 e Neemias 10:38, os levitas davam o “melhor décimo” desses dízimos (1%) recebidos aos sacerdotes que ministravam os sacrifícios pelos pecados e serviam dentro dos locais sagrados. Os sacerdotes não dizimavam pessoalmente, de modo algum.
    É também importante saber que em troca de receber, esses dízimos, tanto os levitas como os sacerdotes perdiam todo o direito à herança permanente da terra dentro de Israel (Números 18:20-26; Deuteronômio 12: 12; 14:27, 29; 18:1-2; Josué 13:14, 33; 14:3; 18:7; Ezequiel 44:28). Os levitas que recebiam o primeiro dízimo eram proibidos de ministrar os sacrifícios de sangue, sob pena de morte (Números 18:3). Não há continuação dessa ordenança na Nova Aliança.

    Ponto # 7 – A frase: “É santo ao Senhor” não torna o dízimo um eterno princípio moral.

    O falso ensino é que Levítico 27:30-32 prova que o dízimo é um “eterno princípio moral” porque “ele é santo do Senhor”.

    Contudo, os mestres do dízimo devem ignorar a frase mais forte “ele é santíssimo ao Senhor”, nos imediatos versos precedentes: 28 e 29. Isso porque os versos 28 e 29 não são definitivamente “eternos princípios morais” na igreja. Em seu contexto, as frases “É santo ao Senhor” e “é santíssimo ao Senhor” não podem ser interpretadas como “eternos princípios morais”. Por que? Porque quase qualquer outro uso desta frase em Levítico foi há muito descartado pelos cristãos. Frases semelhantes são também usadas para descrever todos os festivais, ofertas sacrificais, distinção entre alimentos puros e impuros, os sacerdotes da Antiga Aliança e o santuário da antiga Aliança.

    Ponto # 8 – As primícias não são a mesma coisa que os Dízimos

    A falsa premissa é que os dízimos são as primícias.

    As primícias equivaliam à pequena porção da primeira colheita realizada e dos primogênitos dos animais. Elas eram tão pequenas que cabiam numa cesta manual (Deuteronômio 26:1-4, 10; Levítico 23:17; Números 18:1317; 2 Crônicas 31:5-a). As ofertas das primícias e dos primogênitos iam diretamente para o Templo, com a exigência de serem consumidas pelos sacerdotes ministradores, somente dentro do Templo (Neemias 10:35-37-a; Êxodo 23:19; 34-26; Deuteronômio 18:4).
    Todo o dízimo levítico ia primeiro para as cidades levíticas e porções deste iam para o Templo, a fim de alimentar os sacerdotes que estavam ministrando em rodízio. (Neemias 10:37b-39; 12:27-29; 44-47; Números 18:21-28; 2 Crônicas 31:5-b) Enquanto os levitas comiam o dízimo, os sacerdotes também podiam comer das primícias, dos primogênitos e de outras ofertas.

    Ponto # 9 – Existem na Bíblia quatro tipos diferentes de Dízimos.

    O falso ensino ignora todos os outros dízimos e focaliza somente a parte do primeiro dízimo religioso.

    Na realidade, o primeiro dízimo religioso chamado o “Dízimo Levítico” tinha duas partes. Novamente todo o primeiro dízimo era dado aos levitas, os quais eram apenas servos dos sacerdotes (Números 18:21-24; Neemias 10:37). Por sua vez, os levitas davam 1/10 de todos os dízimos aos sacerdotes (Números 18:25-28; Neemias 10:38). Conforme Deuteronômio 12 e 14, o segundo dízimo religioso, chamado o “Dízimo de Festa”, era comido pelos adoradores, nas ruas de Jerusalém, durante os três festivais anuais (Deuteronômio 12:1-19; 14:22-26). E conforme Deuteronômio 14 e 26, o terceiro dízimo, chamado o “dízimo dos pobres” guardado nas casas, a cada três anos, era usado para alimentar os pobres (Deuteronômio 14:28-29; 26:12-13).
    Ainda conforme o 1 Samuel 8:14-17, o Rei coletava o primeiro e o melhor 10% para uso político. Durante o tempo de Jesus, Roma coletava os primeiros 10% da maior parte dos alimentos e 20% da colheita de frutas como espólio de guerra.
    É de admirar que as igrejas estejam tentando omitir isso, quando falam somente de um dízimo religioso, simplesmente porque este se encaixa melhor em seus propósitos, ignorando os outros dois importantes dízimos religiosos.
    Outro erro comum é equacionar o dízimo com “as primícias”, ou até mesmo com “o melhor”. Enquanto o dízimo do dízimo (1%) que era dado aos sacerdotes, era “o melhor” do que os levitas recebiam, o dízimo que os levitas recebiam era 1/10, mas não necessariamente o “o melhor”. (Levítico 27:32,33). Também, enquanto as primícias e o primogênito de cada animal puro eram levados diretamente ao Templo, o dízimo era entregue diretamente nas cidades levíticas (Neemias 10:35-38).
    Segundo alguns historiadores, “as primícias” eram ofertas extremamente pequenas. Em geral “as primícias” de uma vila inteira podiam ser carregadas em um único animal.

    Ponto # 10 – Jesus, Pedro, Paulo e os pobres não dizimavam.

    O falso ensino é que de todo mundo no Velho Testamento era exigido que trouxesse sua oferta a Deus a nível de 10%.

    Na realidade nenhum dízimo era exigido dos pobres. Nem também provinha o mesmo das mãos do artesão ou do seu ofício. Somente os fazendeiros e pecuaristas possuíam o que era definido como ganho ao dízimo. Jesus era carpinteiro; Paulo era artesão de tendas e Pedro era pescador. Nenhuma dessas ocupações os qualificava como pagadores do dízimo, visto como não cultivavam a terra nem possuíam rebanhos para o seu sustento. Desse modo, é incorreto ensinar que todo mundo pagava a exigência mínima de um dízimo e, então, que dos cristãos da Nova Aliança deveria ser exigido, apenas para início, esse mesmo mínimo da Velha Aliança dos israelitas. Esta afirmação é comumente repetida nas igrejas, ignorando completamente a exata definição do dízimo como alimento obtido nas fazendas e no aumento dos rebanhos.
    Também é errado ensinar que era exigido dos pobres de Israel que estes pagassem o dízimo. Na verdade, eles até recebiam dízimos. Boa parte do dízimo dos festivais era entregue aos pobres. De fato, muitas leis protegiam os pobres do abuso dos sacrifícios dispendiosos, para os quais eles não podiam ofertar. (Vamos ler Levítico 14:21; 25:6,25-28,35,36; 27:8; Deuteronômio12:1-19; 14:23,28-29; 15:7,8,11; 24:12,14,15,19,20; 26:11-13; Malaquias 3:5; Mateus 12:1,2; Marcos 2:23-24; Lucas 2:22-24; 6:1-2; 2 Coríntios 8:12-14; 1 Timóteo 5:8; Tiago 1:27).

    Ponto # 11 – Os dízimos eram muitas vezes usados como impostos políticos.

    O falso ensino é que os dízimos nunca são comparados aos impostos ou taxas.

    Contudo, na economia hebraica, o dízimo era usado de maneira totalmente diferente da que hoje é pregada. Mais uma vez, os levitas que recebiam o dízimo inteiro nem sequer eram ministros ou sacerdotes – eles eram apenas servos dos sacerdotes. Números 3 descreve os levitas como sendo carpinteiros, fundidores de metal, artesãos de couro e artistas, que mantinham o pequeno santuário. E segundo Crônicas 23-27, durante o tempo dos reis Davi e Salomão, os levitas também foram peritos artesãos, os quais inspecionavam as obras do Templo. Vinte e quatro mil deles trabalhavam no Templo como construtores e supervisores; seis mil eram oficiais e juízes; quatro mil eram guardas e quatro mil eram músicos.
    Como representantes políticos do rei, os levitas usavam o seu dízimo para servir aos oficiais, juízes, coletores de impostos, tesoureiros, guardas do Templo, músicos, padeiros, cantores e soldados profissionais (1 Crônicas 12:23,26; 27:5). É obvio que esses exemplos do uso bíblico da entrada do dízimo nunca se tornam exemplos para a igreja de hoje.
    É importante saber que na Antiga Aliança os dízimos nunca eram usados para evangelizar os não israelitas. Neste ponto o dízimo falhou. Vejam Hebreus 7:12-19. Os dízimos jamais estimularam os levitas e sacerdotes da Antiga Aliança a estabelecer uma única missão fora do país, para encorajar um só gentio a se tornar israelita (Êxodo 23:32; 34:12,15; Deuteronômio 7:2).
    O dízimo da Antiga Aliança era motivado e exigido por lei, não pelo amor. De fato, durante a maior parte da história de Israel, os profetas foram os principais portadores da Palavra de Deus e não os levitas e os sacerdotes que recebiam o dízimo.

    Ponto # 12 – Os dízimos levíticos eram normalmente levados às cidades levíticas.

    Os falsos mestres querem que pensemos que todos os dízimos eram levados ao Templo e que agora devem ser levados ao armazém do edifício eclesiástico.

    O dízimo inteiro jamais foi para o Templo. Na realidade, a extraordinária maioria dos dízimos levíticos jamais foi para o Templo. Os que ensinam o contrário ignoram as cidades levíticas e as 24 localidades dos levitas e sacerdotes. Conforme Números 35, Josué, 20, 21 e 1 Crônicas 6, os levitas e os sacerdotes residiam nas cidades levíticas, em terras emprestadas, onde cultivavam o solo e criavam os animais dizimáveis. Está claro em Números 18:20-24; 2 Crônicas 31:15-19 e Neemias 10:37, que do povo comum esperava-se que trouxesse dízimos às cidades levíticas. Por que? Porque lá vivia a grande maioria dos levitas e sacerdotes com suas famílias, a maior parte do tempo. Vejam também Neemias 13:9.

    Ponto # 13 – Malaquias 3 é o texto do qual mais se tem abusado na Bíblia sobre o dízimo.

    O falso ensino sobre os dízimos em Malaquias ignora cinco fatos importantes da Bíblia.

    1. – Malaquias é contexto da Antiga Aliança e nunca é citado na Nova Aliança para a Igreja (Levítico 27:34; Neemias 10:28-29; Malaquias 3:7; 4:4).
    2. – Malaquias 1:6; 2:1 e 3:1-5 são muito claramente endereçados aos sacerdotes desonestos, os quais são amaldiçoados porque haviam roubado as melhores ofertas de Deus.
    3. – As cidades levíticas devem ser consideradas, enquanto Jerusalém nunca foi uma cidade levítica (Josué 20, 21). Não faz sentido algum ensinar que 100% dos dízimos eram levados ao Templo, quando a maioria dos levitas e sacerdotes não morava em Jerusalém.
    4. – Em Malaquias 3:10-11, os dízimos ainda são apenas alimentos (Levítico 27:30-33).
    5. – As 24 localidades residenciais dos levitas e sacerdotes também devem ser levados em conta.
    Começando com os Reis Davi e Salomão, eles foram divididos em 24 famílias. Essas divisões também continuavam a vigorar no tempo de Malaquias, com Esdras e Neemias. Visto como normalmente apenas uma família servia ao Templo e por uma semana da cada vez, não havia, absolutamente, qualquer razão para que todos os dízimos fossem enviados ao Templo, quando 98% daqueles a quem se destinavam como alimento ainda se encontravam nas cidades levíticas (1 Crônicas 24:26; 28:13,21; 2 Crônicas 8:14; 23:8; 31:2, 15-19; 35:4-5,10; Esdras 6:18; Neemias 11:19,30; 12:24; 13:9-10; Lucas 1:5).
    Desse modo, quando o contexto das cidades levíticas, as 24 famílias dos sacerdotes, os filhos menores, as viúvas, Números 18:20-28, 2 Crônicas 31:15-19, Neemias 10-13 e todo o livro de Malaquias são avaliados, vemos que apenas 2% do total do primeiro dízimo eram normalmente exigidos no Templo de Jerusalém.
    Tanto a bênção como a maldição de Malaquias 3:9-11, perduraram somente até o término da Antiga Aliança, ou seja, até o Calvário. A audiência de Malaquias havia voluntariamente reafirmado a Antiga Aliança (Neemias 10:28-29. “Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo. E todo o povo dirá: Amém” (Deuteronômio 27:26, citado em Gálatas 3:10). E Jesus Cristo deu um fim a essa maldição, conforme Gálatas 3:13: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”.
    Hoje em dia, a classe mais pobre é a que mais contribui para beneficência. E, mesmo assim, ela permanece na pobreza. A loteria e os dízimos não são uma garantia para alguém enriquecer depressa, em vez da educação, da determinação e do árduo trabalho. Se Malaquias 3:10 funcionasse realmente com os cristãos da Nova Aliança, nesse caso milhões de cristãos dizimistas já teriam escapado da pobreza e se tornado o grupo mais rico do mundo, em vez de continuar sendo pobre. Portanto, não existe evidência alguma de que a vasta maioria dos pobres “pagadores do dízimo” tenha sido abençoada pelo mero fato de o entregar. As bênçãos da Antiga Aliança já não estão em efeito (Hebreus 7:18-19; 8:6-8, 13).

    Ponto # 14 – O dízimo não é ensinado no Novo Testamento.

    O falso ensino é que Jesus ensinou a dizimar, em Mateus 23:23, dizendo que isso está claro no Novo Testamento.

    A Nova Aliança não teve princípio no nascimento de Jesus, mas na Sua morte (Gálatas 3:19, 24, 25; 4:4). O dízimo não é ensinado na igreja, depois do Calvário. Quando Jesus falou sobre o assunto em Mateus 23:23, Ele estava simplesmente ordenando a obediência às leis da Antiga Aliança, a qual ele endossou e obedeceu até chegar ao Calvário. Em Mateus 23:23, Ele mandou que os judeus obedecessem aos escribas e fariseus, porque estes se assentavam na cadeira de Moisés. Por acaso Ele ordenou que os gentios por Ele curados comparecessem diante dos sacerdotes judeus?
    Não existe um único texto do Novo Testamento que ensine a dizimar, após o período do Calvário. Atos 2:42-47 e 4:32-35 não são exemplos para se dizimar, a fim de sustentar os líderes da igreja. Conforme Atos 2:46, os cristãos judeus continuavam a adorar no Templo. E conforme Atos 2:44 e 4:33,34, os líderes da igreja compartilhavam igualmente o que recebiam com todos os membros da igreja (o que hoje não se faz). Finalmente, Atos 21:20-25, prova que os cristãos judeus ainda observavam fielmente toda a Lei de Moisés – até 30 anos depois – devendo aí ser incluído o dizimar, pois se não o fizessem, não poderiam ter permissão de entrar no Templo para adorar. Desse modo, todos os dízimos coletados pelos primeiros cristãos judeus eram para o sustento do Templo e não para sustentar a igreja.

    Ponto # 15 – Os limitados sacerdotes da Antiga Aliança foram substituídos por todos os crentes-sacerdotes [1 Pedro 2:5].

    O falso ensino é que os anciãos e pastores da Nova Aliança estão simplesmente continuando de onde os sacerdotes da Antiga Aliança deixaram e por isso devem receber o dízimo.

    Comparem Êxodo 19:5, 6 com a 1 Pedro 2:9-10. Antes do incidente do bezerro de ouro, Deus havia pretendido que todo israelita se tornasse um sacerdote e o dízimo jamais foi mencionado. Os sacerdotes não dizimavam, mas recebiam 1/10 do primeiro dízimo (Números 18:26-28 e Neemias 10:37-38).
    A função e o propósito dos sacerdotes da Antiga Aliança foram substituídos, não pelos anciãos e pastores, mas pelo sacerdócio de todos os crentes. Como outras ordenanças da Lei, o dízimo foi apenas uma sombra temporária, até a vinda de Cristo (Efésios 2:14-16; Colossenses 2:13-17; Hebreus 10:1). Na Nova Aliança cada crente é um sacerdote de Deus (1 Pedro 2:9-10; Apocalipse 1:6; 5:10). E como sacerdote cada crente oferece sacrifícios a Deus (Hebreus 4:16; 10:19-22; 13:15-16). Então, cada ordenança que havia sido previamente aplicada ao antigo sacerdócio foi anulada no Calvário. Visto não pertencer à Tribo de Levi, até mesmo Jesus Cristo foi desqualificado. Desse modo, o propósito original de dizimar já não existe (Hebreus 7:12-19; Gálatas 3:19, 24, 25; 2 Coríntios 3:10).

    Ponto # 16 – A Igreja da Nova Aliança não é um edifício nem um armazém.

    O falso ensino é que os edifícios cristãos chamados “igrejas”, “tabernáculos” ou “templos”, substituíram o Templo do Velho Testamento como locais de habitação divina.

    A Palavra de Deus jamais descreve os grupos da Nova Aliança como ”tabernáculos”, “templos” ou “edifícios”. Os cristãos não “vão à igreja”. Eles se “reúnem para adorar”. Também, visto que os sacerdotes do Velho Testamento pagavam o dízimo, então, logicamente, o dízimo não pode continuar. Nesse caso, é errado chamar um edifício de “armazém do Senhor” para receber os dízimos (1 Coríntios 3:16-17; 6:19-20; Efésios 1:22-23; 2:21; 4:12-16; Apocalipse 3:12). Com respeito à palavra “armazém” comparem a 1 Coríntios 16:2 com a 2 Coríntios 12:14 e Atos 20:17, 32-35. Durante vários séculos após o Calvário, os cristãos nem mesmo possuíam um edifício próprio (que chamassem de armazém), visto como o Cristianismo era uma religião ilegal.

    Ponto # 17 – A Igreja cresce quando usa os melhores princípios da Nova Aliança.

    O falso ensino é que os princípios de dar graças não são tão bons como os princípios do dizimar na Antiga Aliança.

    Sob a Nova Aliança:

    1 – Conforme Gálatas 5:16-23, não existe lei física que possa controlar o fruto do Espírito Santo [Infelizmente o Espírito Santo é Quem mais tem sofrido nas igrejas neopentecostais, que o transformaram num office-boy, o qual tem “obrigação” de descer quando invocado e de fazer tudo que os pastores semi-bíblicos e os crentes imaturos dessas igrejas acham por bem exigir dEle. Essas pessoas mal conhecedoras da Bíblia se comportam com o Espírito Santo exatamente como os feiticeiros se comportam com os maus espíritos].
    2 – A 2 Coríntios 3:9-10 ensina: “Se o ministério da condenação [Antiga Aliança] foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça [Nova Aliança]. Porque também o que foi glorificado nesta parte não foi glorificado, por causa desta excelente glória”.
    3 – Hebreus 7 apenas faz a menção pós-Calvário de dizimar, numa explanação de porque o sacerdócio levítico deve ser substituído pelo sacerdócio de Cristo, porque aquele era fraco e ineficiente. Estudem Hebreus 7 e sigam a progressão do verso 5 ao verso 12 e ao verso 19.
    4 – A maneira pela qual o dízimo é hoje ensinado reflete o fracasso da igreja em crer e agir segundo os muito melhores princípios do amor, da graça e da fé. O princípio do dízimo obrigatório não pode nem poderia ter sido mais próspero à igreja do que os princípios guiados pelo verdadeiro amor a Cristo e às almas perdidas (2 Coríntios 8:7-8). [Se o dízimo fosse usado para sustentar os missionários, as viúvas pobres e os órfãos, ele seria um princípio de amor e graça, mas, infelizmente, ele é usado hoje em dia para comprar aparelhos de som e para outros fins nada cristãos…]

    Ponto # 18 – O Apóstolo Paulo preferia que os líderes da igreja se auto-sustentassem.

    O falso ensino é que Paulo ensinou e praticou o dízimo.

    Nada poderia estar mais longe da verdade. Como um rabino judeu, Paulo estava entre os que insistiam em trabalhar com as próprias mãos pelo seu sustento (Atos 18:3; 1 Tessalonicenses 2:9-10; 2 Tessalonicenses 3:8-14). Embora ele não tenha condenado os que recebiam sustento pela obra em tempo integral, também não ensinou que tal sustento fosse ordenado por Deus, para difusão do Evangelho. (1 Coríntios 9:12). De fato, duas vezes em Atos 20:29, 35 e também na 2 Coríntios 12:14, ele até mesmo encoraja os anciãos da igreja a trabalharem para manter os necessitados da igreja [Eu só queria ver um dos pastores atuais trabalhando para ajudar os pobres da igreja!].
    Para Paulo, a expressão “viver do evangelho” significava “viver segundo os princípios da fé, do amor e da graça” (1 Coríntios 9:14). Conquanto verificasse ter “direito” a alguma ajuda, ele concluía que a “liberdade” de pregar o seu evangelho era mais importante, a fim de cumprir a sua vocação de Deus (1 Coríntios 9:15; 11:7-13; 12:13,14; 1 Tessalonicenses 2:5-6). Enquanto trabalhava como artesão de tendas, Paulo aceitou uma certa ajuda, porém se gloriava de que o seu pagamento ou salário era o fato de poder pregar livremente, sem se tornar um fardo para os outros (1 Coríntios 9:16-19).

    Ponto # 19 – O dízimo não se tornou uma leia na igreja, até o Ano 777 d.C.

    O falso ensino é que a igreja histórica sempre ensinou o dízimo.

    Até mesmo em Atos 21:20-26, algumas décadas após o Calvário, os primeiros cristãos judeus em Jerusalém continuavam seguindo fielmente a lei da Antiga Aliança e ainda adoravam e ajudavam a manter o templo judaico. Como eles eram judeus obedientes, a lógica nos força a concluir que eles continuavam a entregar os dízimos dos alimentos colhidos ao sistema do Templo.
    Conquanto discordando dos seus próprios teólogos, muitos historiadores da igreja escrevem que o dízimo não se tornou uma doutrina aceita na igreja, durante mais de 700 anos após o Calvário. Os antigos pais da igreja, antes de 321 d.C. (quando Constantino tornou o Cristianismo uma religião legal) se opunham ao dízimo, considerando-o uma doutrina puramente judaica. Clemente de Roma (Ano 95), Justino Mártir (150), o Didaquê (150-200) e Tertuliano (150-220) se opunham ao dízimo. Até mesmo Cipriano (200-258) rejeitou a introdução do dízimo incluído na distribuição aos pobres.
    De fato, os antigos líderes da igreja praticavam o ascetismo. Isso quer dizer que ser pobre era a melhor maneira de servir a Deus. Eles copiavam sua adoração conforme as sinagogas judaicas, as quais tinham rabinos que se auto-sustentavam, recusando-se a receber dinheiro para ensinar a Palavra de Deus (Ver Schaff – “History of Christian Church”, vol. 2, 63, 128, a98-200, 428-434).
    Segundo os melhores historiadores e enciclopédias, 500 anos se passaram até que a igreja, no Concílio de 585, tentasse, sem sucesso algum, forçar os seus membros a dizimar. Mas não foi antes de 777 d.C. que o Imperador Carlos Magno permitiu legalmente que a igreja coletasse dízimos [É claro que a Igreja de Roma, a qual coroou Carlos Magno, foi quem ressuscitou o dízimo, por causa da sua desmedida ganância por riqueza material].

    Conclusão

    Na Palavra de Deus o vocábulo ”dízimo” não aparece sozinho. Ele é sempre “o dízimo do alimento”. O dízimo bíblico era muito estritamente definido e limitado pelo próprio Deus.
    Os verdadeiros dízimos bíblicos sempre eram:
    – Apenas em alimentos.
    – Somente de fazendeiros e pecuaristas.
    – Somente dos israelitas.
    – Somente de quem vivia dentro da Terra Santa de Deus, das fronteiras nacionais de Israel.
    – Somente sob os termos da Antiga Aliança.
    – A fartura só poderia provir da mão de Deus.

    Por conseguinte:

    – Itens não alimentícios não podiam ser dizimados.
    – Animais limpos caçados e peixes não podiam ser dizimados.
    – Os não israelitas não podiam dizimar.
    – Alimentos que viessem de fora da Terra Santa de Deus não podiam penetrar no Templo.
    – O dízimo legítimo não acontecia quando não houvesse o sacerdócio levítico.
    – O dízimo não podia provir do que fosse fabricado pelas mãos do homem, produzido ou apanhado na pesca.

    Convido os líderes de igrejas para uma discussão aberta sobre este assunto. O estudo cuidadoso em oração da Palavra de Deus é essencial ao crescimento da igreja. Que Deus os abençoe neste estudo. (Eu os encorajo a copiar e distribuir este artigo)

    Russel Kelly/Mary Schultze, agosto 2006.
    russell-kelly@att.net
    http://www.tithing-russkelly.com
    Recebido do CPR, em 26/06/06.
    Revisado pelo autor e os tradutores, em março 2007.

    Nota: Este ensaio foi traduzido em Dinamarquês por Martin.
    Em Espanhol por Haroldo.
    Em Português por Mary Schultze.

  1. 05/02/2012 às 20:59

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s