Início > Promiscuidade de doutrinas > Uma comentário a respeito do “A Cabana”

Uma comentário a respeito do “A Cabana”


O que você achou do livro A Cabana?

Minha mãe costumava dizer que quando alguém vinha a ela com más intenções, um sininho tocava. Era comum expressões como, "Fulana? Hmmm… não sei não, quando ela chegou tocou o sininho…". No caso do livro "A Cabana", ouvi um carrilhão. É que por ter me convertido e sido liberto de uma salada de filosofias orientais, espíritas e humanistas (na época ainda não chamavam aquilo de Nova Era – veja o testemunho de minha conversão aqui), hoje sou alérgico a tudo o que levemente cheira a essas coisas. Entrar em loja com cheiro de incenso, então, nem pensar.
Antes de comentar sobre o livro "A Cabana" fiz uma busca e descobri que muita gente já comentou. Eu confesso que não fui até o fim (parei um pouco depois da metade) porque não aguentei. Ao contrário de outras alegorias, como "O Peregrino" ou "As Crônicas de Nárnia", o livro "A Cabana" não tem a sutileza de apenas sugerir coisas, como deve ocorrer numa alegoria. Além disso, é péssima literatura em termos de… isso mesmo, literatura. O autor passa longe de um C. S. Lewis (As Crônicas de Nárnia).

Algumas passagens do livro (e meus questionamentos) para você julgar. Lembre-se de que, no livro, quem estaria dizendo essas coisas seria Deus, apresentado ali como três pessoas diferentes, o Pai (uma mulher negra e gorda), o Filho (um carpinteiro do Oriente Médio) e o Espírito Santo (uma mulher oriental):

 

“Os que me amam estão em todos os sistemas que existem. São budistas ou mórmons, batistas ou muçulmanos, democratas, republicanos e muitos que não votam nem fazem parte de qualquer instituição religiosa. Tenho seguidores que foram assassinos e muitos que eram hipócritas. Há banqueiros, jogadores, americanos e iraquianos, judeus e palestinos. Não tenho desejo de torná-los cristãos, mas quero me juntar a eles em seu processo para se transformarem em filhos e filhas do Papai, em irmãos e irmãs, em meus amados”. (Aqueles que negam a Deus, que desprezam a divindade de Jesus, que rejeitam o evangelho? As pessoas são transformadas em filhos de Deus através de um processo? Deus não quer que um budista se torne cristão?)


“Em Jesus eu perdoei todos os humanos por seus pecados contra mim, mas só alguns escolheram relacionar-se comigo (…) Quando você perdoa alguém, certamente liberta essa pessoa do julgamento, mas, se não houver uma verdadeira mudança, não pode ser estabelecido nenhum relacionamento verdadeiro”. (Todos já estão perdoados e libertos do juízo?)


“Quando nós três penetramos na existência humana sob a forma do Filho de Deus, nos tornamos totalmente humanos”. (O Pai, o Filho e o Espírito Santo se tornaram humanos? Tornar-se "totalmente" humanos significa abrir mão da divindade?)


“Papai não respondeu, apenas olhou para as mãos dos dois. O olhar de Mack seguiu o dela, e pela primeira vez ele notou as cicatrizes nos punhos da negra, como as que agora presumia que Jesus também tinha nos dele.
– Jamais pense que o que meu filho optou por fazer não nos custou caro. O amor sempre deixa uma marca significativa – ela declarou, baixinho e gentilmente. – Nós estávamos lá, juntos.
Mack ficou surpreso.
– Na cruz?" (Jesus se enganou ao clamar "Deus meu, por que me abandonaste"? O Pai tem as marcas dos cravos nas mãos, nos pés e no lado? Foi o sangue do Pai que também foi derramado na cruz?)


“Não preciso castigar as pessoas pelos pecados. O pecado é o próprio castigo, pois devora as pessoas por dentro. Meu objetivo não é castigar. Minha alegria é curar” (Não haverá um juízo?)
Basta conhecer um pouco a Bíblia para ver que não são apenas declarações inocentes ou de mera ficção, mas afirmações que comprometem a verdade. A princípio achei o livro extremamente irreverente, mas a trombada mesmo ocorreu quando o autor transforma a Trindade em pessoas visíveis, quando sabemos que na realidade apenas o Filho de Deus se tornou visível na encarnação. Jo 1:18: "Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou".
É algo extremamente sério dar uma imagem visível a Deus, pois Ele mesmo deixa isso claro em Sua Palavra. 1 Tm 6:16: "Aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver, ao qual seja honra e poder sempiterno". O próprio Senhor Jesus deixou clara a impossibilidade de enxergarmos o Pai: Jo 6:46: "Não que alguém visse ao Pai, a não ser aquele que é de Deus". O que podemos conhecer do Pai é o que foi revelado em Jesus, nada mais. Jo 12:45: "E quem me vê a mim, vê aquele que me enviou". Cl 1:15: "O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação".
Alguém pode alegar que por se tratar de ficção, não há problema. Será? Quem pode dizer que não há problema? Acredito que só a pessoa que está sendo representada no livro, e neste caso a Pessoa é Deus, pode dizer se há ou não problema nisso. E Ele deixa claro o que pensa da idéia de ser representado de forma visível: Rm 1:22, 23 "Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível".
Dt 4:15, 16: "Guardai, pois, com diligência as vossas almas, pois nenhuma figura vistes no dia em que o SENHOR, em Horebe, falou convosco do meio do fogo; Para que não vos corrompais, e vos façais alguma imagem esculpida na forma de qualquer figura, semelhança de homem ou mulher"

Vi no Eu Respondi

  1. 27/08/2012 às 14:34

    Bom, eu ainda estou na metade.. comecei a ler hoje mesmo, e pretendo terminar amanhã.. rs. Já me espantei por Jesus ser meio “fortão” e cheioo de estilo, afinal, não é assim que ele foi descrito na Bíblia. O nosso querido E.S. (Espírito Santo) seria oriental… hum…meio asiático… me parece subliminar isso.. kkk. Tem partes lindas quando Deus diz nunca nos abandonar.. Pura verdade! Mas, realmente é preciso ter cuidado. Estou lendo pois uma amiga recomendou, e me preocupei com a visão que ela tinha do livro, então estou tendo uma visão totalmente crítica mesmo. Tenso bastante cuidado com tudo que vejo… e rabiscando tudo também (como numa apostila). Vamos ver… mas, pelo que tenho lido a respeito do fim, em vários lugares.. não vou curtir não. Afinal, um Deus que apoia a coexistência??? É novo pra mim!
    E como a Ana Dora disse acima… “acho que o livro não foi feito pra mim!!”

  2. ana dora
    04/08/2012 às 23:35

    já estou nas ultimas paginas finais de a cabana, o livro diz , quem ler e não gostar é pq o livro não foi feito para vc. então infelizmente o livro não foi feito para mim, achei muito fantasioso, tem uma parte onde ¨jesus ¨da um beijo na boca de Papai (Deus), tem partes interessantes onde eu realmente creio que Deus está sempre conosco, e podemos falar com ele, como se fossemos velhos amigos, mas existe frases mal explicadas, sem muita noção. não gostei.

  3. silvia santos
    01/07/2012 às 10:33

    recentemente passei por uma situaçao mt parecida com com a deMack minha filha foi assasinada em 4 de agosto de 2012 ate agora ainda nao sei quem e o assasino,estou vivendo exatamente como ele viveu durante os anos passados a morte da filha com muita raiva,muito odio sede de vingança e uma grande tristeza nao me conformo que minha filha com apenas 16 anos pudesse ir embora assim principalmente de forma tao brutal ela foi estrangulada….sou evangelica mais diante de uma situaçao dessas como fazer de conta que ta tudo bem,que aceito o que aconteceu que consigo perdoar…acho que nao da e minha filha.
    Vendo meu sofrimento uma pessoa me falou sobre o livro e me emprestou nao gosto mt de ler mais ele eu li com muita sede a cada capitulo ate que cheguei na parte do perdao ai me deparei com minha grande luta,mais uma vez ali diz perdoa mas meu coraçao dolorido como esta revida e nao consegue adimitir que devo perdoar acho que precisso de um encontro com Papai pra que ele mesmo me diga perdoe.E muito dificil.
    No livro tambem fala que as vezes a morte pode ser usada para coisas boas eu nao consigo ver o que de bom pode ser usado com a morte de minha filha na verdade o livro me ajudou a esclarecer algumas coisas chorei muito e uma historia muito parecida com a minha de certa forma foi muito bom ler este livro embora sei que esse encontro com Deus nao pode ser como no livro mas deu pra imaginar como seria se eu pasasse por esse processo nao talvez eu seria mais dura do que Mack pra aceitar e tambem para perdoar mas de agora endiante vou pensar nisso com mais força…

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s