Início > Voz do Deserto > Um Idiota com Qualquer Outro Nome

Um Idiota com Qualquer Outro Nome


por Vincent Cheung


CONTEÚDO

INTRODUÇÃO

PERGUNTA

RESPOSTA

1 PEDRO 3:15
COLOSSENSES 4:5-6
IDIOTAS E FEZES

CONCLUSÃO

INTRODUÇÃO
Alguém recentemente me escreveu e me perguntou sobre a linguagem áspera que eu algumas vezes uso, quando me referindo aos não-cristãos. Especificamente, ele perguntou sobre a propriedade de se dirigir a um incrédulo com injúrias bíblicas. Embora eu já tenha tratado deste tópico em vários lugares nos meus escritos, eu penso que será útil compartilhar com meus leitores a minha resposta a este inquiridor.

Visto que meu propósito é ajudar no entendimento e não preservar a pergunta e resposta em sua forma original, eu editei a pergunta e expandi a resposta. [1] A pergunta serve para fornecer um contexto com o qual a resposta possa interagir. E, visto que a pergunta e a resposta não mais possuem sua forma original, observe que o “você” na porção da resposta não mais se dirige ao inquiridor original.

PERGUNTA
Eu li algumas de suas obras e tenho que confessar que eu nunca tinha considerado verdadeiramente a apologética e a mente de Cristo desta forma –– que a “sabedoria” dos incrédulos é totalmente imbecil e tola, e completamente irracional. Eu concordo totalmente com todas suas conclusões.

Contudo, esta é a melhor maneira de lhes dizer isto, com palavras como “idiota”, “fezes intelectuais” e assim por diante? Eu queria entender como você interpreta 1 Pedro 3:15 e Colossenses 4:5-6 à luz da forma como você debate com os não-crentes.

RESPOSTA

Primeiro, devemos considerar se as descrições são bíblicas. Você disse que já concorda comigo nisto, assim, não preciso gastar tempo estabelecendo isto aqui, embora eu ainda darei alguma atenção à várias palavras específicas abaixo.

Então, sua pergunta torna-se se devemos contar aos incrédulos o que a Bíblia diz sobre eles. Mas a pergunta mais apropriada é se temos qualquer justificação bíblica para dizer que devemos ocultar certas verdades dos incrédulos. Minha posição é que, ao invés de esconder qualquer verdade bíblica dos incrédulos, devemos perfeitamente desvelar, expor e aplicar a eles tudo o que a Escritura ensina.

Considere os profetas, os apóstolos e o próprio Cristo. Todos eles usaram palavras muito pesadas e até mesmo injuriosas para criticar os pecadores endurecidos. Provavelmente o único contra-argumento que eu já tenha ouvido sobre este ponto é que eles foram as exceções infalíveis. Bem! Certamente isto é conveniente. Mas, por que eles foram as exceções nesta área? Por que se requer infabilidade para usar palavras duras? E, por que eles foram as exceções somente quando se trata de palavras duras e não quando se trata de palavras agradáveis? Não, eu me recuso a aceitar a mera opinião ou especulação sobre isto; eu exijo uma resposta bíblica e exegética.
O princípio deles parece ser que, sempre que você encontrar certas coisas na Bíblia que você não aprove, ou que você não deseje praticar, chame-as simplesmente de “exceções”. O elemento grosseiramente anti-cristão em seu uso da Escritura é que, não somente eles dizem que os profetas, os apóstolos e Cristo foram exceções no sentido de que eu não tenho o direito de criar estas injúrias, mas que eu nem mesmo tenho o direito de aplicar ou repetir as mesmas injúrias que eles usaram ao mesmo tipo de pessoas a quem eles usaram.

1 Pedro 3:15

Certamente, 1 Pedro 3:15 é freqüentemente usado para afirmar que devemos ser “legais” quando fazendo apologética. O verso diz, “Antes, santifiquem Cristo como Senhor em seu coração. Estejam sempre preparados para responder a qualquer pessoa que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês. Contudo, façam isso com mansidão e respeito…” [NVI]. Mas, o que significa fazer apologética com “mansidão e respeito”? Significa o que os incrédulos nos dizem que significa? Significa ser não-ofensivo, não-confrontante, não-ameaçador e falar de uma maneira suave e tímida? Ou significa explicar e demonstrar infalivelmente, através das palavras e exemplos dos profetas, dos apóstolos e do próprio Cristo? Não deveríamos assumir que o apóstolo está se referindo ao que os incrédulos consideram ser mansidão e respeito; antes, devemos prestar muita atenção ao contexto do versículo.

O contexto deste verso é principalmente sobre cristãos que estão enfrentando perseguição e interrogaçãopelas autoridades (oficiais do governo, senhores, etc.); ele não trata diretamente da pregação pública ou do discurso ordinário entre pessoas. Matthew Henry escreve que o verso está se referindo ao “temor de Deus” e a “reverência aos nossos superiores”. [2] Realmente, quando lemos os Atos dos Apóstolos, vemos que os discípulos eram freqüentemente mais delicados quando se defendendo diante dos oficiais do governo. Mesmo assim, Jesus chamou Herodes de “aquela raposa” (Lucas 13:32). Há um exemplo mais detalhado a partir de Paulo, em Atos 23:

(3) Então Paulo lhe disse: “Deus te ferirá, parede branqueada! Estás aí sentado para me julgar conforme a lei, mas contra a lei me mandas ferir?
(4) Os que estavam perto de Paulo disseram: “Você ousa insultar o sumo sacerdote de Deus?”
(5) Paulo respondeu, “Irmãos, eu não sabia que ele era o sumo sacerdote, pois está escrito: ‘Não fale mal de autoridade do seu povo’”.

Observe que Paulo disse, “Deus te ferirá” e “parede branqueada”. Ele essencialmente amaldiçoou a pessoa em nome de Deus e a chamou de hipócrita e um quebrador da lei, na sua cara. Mas então, em relação ao que eu disse sobre o contexto de 1 Pedro 3:15, quando Paulo descobre que ele estava falando com o sumo sacerdote, ele implica que não teria dito o que disse se soubesse (v. 5).

Assim, o verso 3 ilustra que minha atitude para com os incrédulos é similar a de Paulo, e os versos 4-5 ilustram que meu entendimento de 1 Pedro 3:15 é consistente com Pedro e Paulo. O modo como meus críticos e muitos outros crentes distorcem 1 Pedro 3:15 faz com que Pedro condene Paulo sobre o verso 3 [de Atos 23]. Por outro lado, meu entendimento de 1 Pedro 3:15 significa que Paulo não contradiz necessariamente 1 Pedro 3:15 no verso 3 (visto que ele não sabia que estava falando com o sumo sacerdote), e ele mesmo indica que concorda com 1 Pedro 3:15 nos versos 4 e 5.

Agora, suponho que meus críticos me desaprovarão se eu for alguém que diga algo semelhante ao que Paulo disse no verso 3. Todavia, aqui está ele –– o próprio Paulo o fez. Mas, certamente, Paulo era uma exceção, não era? Mas a exceção ao que? A exceção à “mansidão e respeito”? Se meus críticos devem usar 1 Pedro 3:15 contra mim, e então chamar aos profetas, aos apóstolos e a Cristo de exceções, então, eles devem afirmar também que os profetas, os apóstolos e o próprio Cristo foram exceções à mansidão e respeito em numerosas ocasiões, e que naqueles casos, eles não mostraram nenhuma mansidão e nenhum respeito.

Colossenses 4:5-6

Com respeito a Colossenses 4:5-6, não há nada sobre estes versos que contradiga a minha atitude. Lemos os versos da seguinte forma: “Sejam sábios no procedimento para com os de fora; aproveitem ao máximo todas as oportunidades. O seu falar seja sempre cheio de graça e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um” [NVI].

Meus críticos falsamente aplicam estes versos contra minha atitude. Eles assumem que usar injúrias contra os incrédulos não é agir sabiamente para com os de fora, e é falar sem graça e sem sal. Mas, qual é a “sabedoria” a qual eles se referem aqui? Qual é a “graça” e qual é o “sal”? Por que estas coisas significam o que os meus críticos dizem que significam –– isto é, ser “legal”, falar suavemente, delicadamente, sem insultos, sem ofensas, sem críticas e assim por diante? O que a Bíblia quer dizer por estas palavras, e neste contexto?

Matthew Henry escreve, “Graça é o sal que tempera o nosso discurso, o faz saboroso, e o guarda da corrupção[3] Ele parece pensar que a passagem está enfatizando a qualidade ou pureza moral das nossas conversas, mesmo que outras coisas estejam implicadas. Assim, antes de apenas assumir que Paulo está dizendo aqui o que eles querem que ele diga, meus críticos deveriam oferecer ao menos um argumento exegético básico antes de fazerem acusações.

Em todo caso, se a instrução para “ser sábio” e falar com “graça” e “sal” contradiz minha atitude, então, ela também contradiz os profetas, os apóstolos e o próprio Cristo. Certamente, meus críticos dirão que eles foram as exceções. Mas, as exceções ao que? As exceções à “graça” e “sal”? As exceções para “serem sábios”? Assim, eles estão dizendo que Cristo falava algumas vezes sem graça e sem sal? E, eles estão chamando Cristo de estúpido, que Ele algumas vezes se comportava tolamente para com os de fora? Eu exijo que eles olhem para o céu e repitam esta blasfêmia diante da face de Deus, antes de aplicar estes versos contra mim.

Em contraste, eu não blasfemo e nem desejo fazê-lo. Eu afirmo que Cristo foi consistentemente sábio em Sua conduta e conversa, e que Ele sempre falava com graça e sal, e que Ele sempre manteve uma atitude que era agradável a Deus. Eu diria que meus críticos têm imposto sobre a Escritura suas próprias definições anti-bíblicas destas palavras e conceitos, e então, ao menos indiretamente, blasfemam contra Cristo e diretamente me difamam. [3] Por isso, eu os acuso de pecado e urgo que se arrependam. Eu pleiteio com eles para que parem de desafiar a Palavra de Deus, e condeno aqueles que os seguem, adotando o método e o tom bíblico na proclamação e defesa do evangelho contra os incrédulos.

Idiotas e Fezes

Com respeito a “idiota” e “fezes”, até estas são palavras bíblicas. A palavra “idiota” é derivada da palavra grega moros. Paulo usa-a em Romanos 1:22. Ali a palavra é traduzida por “loucos”, mas certamente significa a mesma coisa que “idiotas”, e deveras poderia ter sido traduzida facilmente e corretamente por tal. Com respeito a “fezes”, Paulo usa a palavra que é traduzida por “estrume” ou “refugo” para se referir a sua vida anterior como um incrédulo, em Filipenses 3:8. O léxico de Thayer explica que a palavra pode se referir a “qualquer refugo, como o excremento dos animais”. Tanto o significado desta palavra como os contextos nos quais ela aparece, concordam com o modo como a uso contra os incrédulos.

Em adição, se “idiota” e “fezes” são tão ruins, porque chamamos os incrédulos de “pecadores”, e os chamamos de “pecaminosos” e “ímpios”? Mesmo meus críticos usam estas palavras quando pregam o evangelho e quando falam aos incrédulos. As passagens bíblicas de 1 Pedro 3:15 e Colossenses 4:5-6 subitamente deixaram de ser aplicadas? Os meus críticos são exceções infalíveis também? E o que dizer da palavra “depravação” e “adultério”? São estas palavras cheias de “graça” e “sal”? E sobre dizer a alguém que o aborto é “assassinato”? Você pensa que estas palavras não são ofensivas aos incrédulos? Você pensa que eles preferem ser chamados de “assassinos” do que de “idiotas”?

Aqui chegamos à questão real –– alguns cristãos discordam do meu uso de injúrias principalmente porque elas as ofendem, e não porque elas são anti-bíblicas (eu já mostrei que elas são bíblicas) e nem mesmo porque elas ofendem os incrédulos (todos os ensinamentos bíblicos ofendem aos incrédulos, de qualquer jeito). E estes cristãos são ofendidos porque suas mentes não foram ensinadas e renovadas nesta área, de forma que seus padrões ainda são muito parecidos com aqueles dos incrédulos; portanto, eles ficam ofendidos pelas mesmas coisas que ofendem os incrédulos. Outra possibilidade é que pelo menos alguns destes críticos ainda são inconversos, e visto que sua prioridade ainda é a dignidade do homem e não a glória de Deus, então, certamente, eles ficam ofendidos.

Porque meus críticos têm imposto suas próprias definições destas palavras na Escritura, eles têm criado para si mesmos numerosos problemas e contradições teológicas, e nós já mencionamos suas difamações e blasfêmias. Por outro lado, eu tenho reverência suficiente a Deus para permitir que a Escritura interprete a si mesma; portanto, afirmo que usar estas palavras bíblicas (idiotas, fezes, pecadores, adúlteros, assassinos, etc.) nos contextos similares àqueles nos quais elas aparecem na Escritura, está de completo acordo com 1 Pedro 3:15, Colossenses 4:5-6, e todas as outras passagens relacionadas.

De acordo com a Escritura, um incrédulo não é nada além de uma matéria fecal espiritual e intelectual. Por que você acha que eles precisam se converter? Por que você acha que eles são impotentes aparte da graça soberana de Deus?

CONCLUSÃO

Sob condições biblicamente aprovadas, estamos autorizados, e algumas vezes até mesmos sob obrigação, a usar injúrias bíblicas contra incrédulos e heréticos. Nós não os chamamos de “idiotas” ou “fezes” a partir de rancores pessoais, mas para proclamar o que a Escritura diz sobre eles, e para declarar-lhes que eles não são as pessoas racionais e decentes que eles imaginam ser.

Um idiota com um outro nome ainda é um idiota, e não há realmente razão para usar outras palavras e expressões, a menos para esconder nosso verdadeiro propósito e reduzir a ofensa da mensagem bíblica. Mas, que razão perversa é obscurecer os ensinamentos bíblicos! A verdade é que os críticos desta atitude são pobres intérpretes da Escritura, compromissados com o mundo, e traidores de Cristo e de Sua causa. Eles desprezam o que Cristo aprovou e praticou. Eu não ouso e nem desejo desprezar o meu Senhor, mas um dia eu esmagarei os Seus críticos.

Meus críticos selecionam passagens bíblicas contendo palavras que eles pensam concordar com o que eles já consideraram como a atitude correta na apologética (isto é, não ofensiva, discurso socialmente polido), arrancam-nas dos seus contextos originais, e tentam me sobrepujar com elas. Seu ensino nesta área está deveras muito impregnado no pensamento de muitos crentes, e exigirá algum esforço deliberado para muitos redescobrirem o modo bíblico de pensar e falar. Em dias em que tudo sobre Cristianismo está sendo diluído a nada, eu apelo para todos os crentes redescobrirem os usos apropriados das injúrias bíblicas, e a aprenderem como integrá-las num sistema fiel e eficaz de teologia e apologética bíblica.

Eu entendo que minha posição sobre este assunto é impopular, mas é deveras bíblica, e o que é bíblico freqüentemente é impopular. Embora eu seja freqüentemente criticado sobre isto, não me envergonho das expressões e descrições bíblicas, e rejeitaria absolutamente me mover, nem que seja uma só polegada, neste assunto. É o dever do crente examinar cuidadosamente o que lhe tem sido ensinado sobre este assunto, e reconsiderar os contextos dos versos tradicionalmente usados para se opor às injúrias empregadas pelos profetas, pelos apóstolos, pelo Senhor Jesus, pelos Reformadores, as quais eu agora uso.

Além do mais, é importante notar que eu tento usar palavras e insultos ásperos somente em contextos similares nos quais a Escritura as usam. Mas, ao aceitar o padrão não-cristão de propriedade social e ao distorcer várias passagens bíblicas, muitos cristãos chegaram à conclusão que esta atitude nunca deve ser usada sob qualquer contexto, e, então, eles indiretamente (mas certamente) condenam os profetas, os apóstolos, e o próprio Cristo, e em assim fazendo, eles realmente se condenam.

A verdade é que, quando eu chamo alguém de idiota, eu ao menos o poupo momentaneamente do pior insulto de todos, um insulto que representa tudo o que é estúpido, mal, imundo e vil, e que fala de alguém que não tem esperança de melhorar e nenhuma chance de escapar do fogo eterno do inferno, exceto pela graça soberana de Deus. Certamente estou me referindo ao nome “não-cristão”. E, uma vez que já usamos o maior de todos os insultos, o resto são apenas cumprimentos.

NOTAS:

[1] – Todavia, a resposta não representa uma exposição bíblica completa sobre o assunto. Para maior informação, veja Vincent Cheung, Systematic Theology, Ultimate Questions, Presuppositional Confrontations, Apologetics in Conversation, Commentary on Ephesians, e “Professional Morons”; Douglas Wilson, The Serrated Edge: A Brief Defense of Biblical Satire and Trinitarian Skylarking (Canon Press, 2003); Robert A. Morey, “And God Mocked Them” (audio); e James E. Adams, War Psalms of the Prince of Peace: Lessons From the Imprecatory Psalms (Presbyterian and Reformed Publishing Company, 1991).[voltar]

[2] – Matthew Henry, Matthew Henry’s Commentary on the Whole Bible (Hendrickson Publishers, Inc., 1991). [voltar]
[3] – Ibid. [voltar]

[4] – Estes críticos também difamam os Reformadores, os quais, à serviço de Deus e da Igreja, tão fielmente e eficazmente empregaram injúrias contra incrédulos e heréticos. Você pensa que eles eram ignorantes com respeito a 1 Pedro 3:15 e Colossenses 4:5-6? Não, eles conheciam essas passagens, e escreveram sermões e exposições sobre estes versos. Mas, diferentemente dos meus críticos, eles também conheciam os contextos e as aplicações apropriadas destes versos, e eles conheciam também o restante da Bíblia. [voltar]


Nota sobre o autor: Vincent Cheung é o presidente da Reformation Ministries International [Ministério Reformado Internacional]. Ele é o autor de mais de vinte livros e centenas de palestras sobre uma vasta gama de tópicos na teologia, filosofia, apologética e espiritualidade. Através dos seus livros e palestras, ele está treinando cristãos para entender, proclamar, defender e praticar a cosmovisão bíblica como um sistema de pensamento compreensivo e coerente, revelado por Deus na Escritura. Ele e sua esposa, Denise, residem em Boston, Massachusetts.


Traduzido por: Felipe Sabino de Araújo Neto
Cuiabá-MT, 02 de Março de 2005.

 

Vi em Monergismo

  1. 21/05/2012 às 14:07

    Independente do que diz a bíblia, ofensas são ofensas, e todos sabemos que não são boas, de um modo geral, quando ditas às pessoas às quais se referem. A única recompensa seria o ódio dessas pessoas. E o de muitos cristãos também. Diante desses argumentos, eu fico na dúvida sobre qual o real significado de ser Cristão e se os Ateus são mesmo os vis e maus. Diga-se de passagem, xingar os outros não é exatamente “bom”.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s