Início > Voz do Deserto > OBSERVAÇÕES DE PENTECOSTALISMO POR UM EX-PENTECOSTAL – CAPÍTULO 1

OBSERVAÇÕES DE PENTECOSTALISMO POR UM EX-PENTECOSTAL – CAPÍTULO 1


CAP 1 – PENTECOSTALISMO

De uma correspondência sobre o Pentecostalismo veio a tona estas observações.

1). O que o irmão citou sobre o Pentecostalismo realmente não é tudo. Porque o que acontece lá dentro é muito, muito pior. Eu estive mais de trinta (30) anos dentro daquele movimento. Vi quase tudo o que ocorre lá dentro. É de arrepiar. Hoje, depois que o bom Deus abriu os meus olhos, vejo o quanto eu estava enganado. Sair do Pentecostalismo, para mim, foi uma das maiores bênçãos da minha vida. Nesses anos todos em que estive lá dentro a única coisa boa que posso falar de lá é que há forte motivação e entusiasmo para fazer as coisas. Os pentecostais são muito dedicados. Mas, diga-se de passagem, os Mórmons, Testemunhas de Jeová e Maometanos também o são. Muitos dos pentecostais também são muito sinceros e realmente querem agradar a Deus, mas estão cegos. Têm um zelo sem entendimento (Rom. 10.2).

2). Eu comecei a conhecer o Evangelho numa igreja pentecostal. Eles não davam ênfase na leitura da Bíblia, mas eu queria conhecer a Palavra de Deus. Fui ensinado que os demais crentes, evangélicos não tinham o Espírito Santo. Também fui ensinado que os pastores são ungidos de Deus, quase infalíveis. Ninguém podia julgar o que diziam. Ai daquele que tocasse o ‘ungido de Deus’. Seria amaldiçoado. Aliás, amaldiçoar as pessoas que discordam deles é uma prática comum no meio pentecostal. Eu mesmo fui ‘vítima’ dessa ‘maldição’ algumas vezes. Dois líderes que mais considerava me ‘amaldiçoaram’.

3). Línguas estranhas. Aqui foi onde tudo começou. O movimento pentecostal começou com a chamada ‘segunda bênção’, que tinha como sinal ou evidência o ‘falar em línguas’. Todos ali são quase que obrigados a falar em ‘línguas’. Durante todo esse tempo que estive ali eu nunca ouvi uma língua estrangeira ou um dialeto. O que ouvia eram algaravias, sons incompreensíveis que não diziam nada e que cada um interpreta como quer. As ‘profecias’ eram sempre em torno que coisa óbvias, ou coisas que ninguém podia provar, e até bobagens como ‘profecias’ sobre a vida dos outros, relacionamentos, vestimentas, etc. As ‘revelações’ nunca podiam ser comprovadas. Se era sobre alguma enfermidade, geralmente nem a própria pessoa tinha conhecimento da enfermidade. Assim por diante.

4). Mais tarde alguns setores do movimento pentecostal não enfatizavam tanto a necessidade de falar em ‘línguas’, mas o ensino sobre uma ‘segunda benção’, uma experiência após a conversão, continuou sendo ensinado. Essa ‘segunda benção’, não é de graça ou por graça. Você tem que ‘pagar o preço’. Oração, jejuns, santificação, busca, busca e mais busca. E mesmo assim, nem todos a recebiam. Eu ficava desesperado. Achava que não era crente. Pensava que Deus não me amava. Após anos de angustiante luta pela ‘benção’ que nunca vinha, fui ensinado a tentar emitir alguns sons com a boca. Qualquer coisa servia – glo-glo-glo-glo… umama-umama-umama… alabas-alabas-alabas… ripalá…balalá… etc. De repente você está ‘falando em outras línguas’. Quando não lhe vem nada a mente você fica observando como os outros falam e você os imita. Quem está fora do movimento vê o absurdo, mas quem está lá dentro acha aquilo normal. Fui ensinado a não pensar mas apenas sentir. Se alguém não consegue ‘falar em línguas’ é porque tal pessoa é muito racional. “Não pense” diziam “apenas flua, deixe o espírito fluir”. É verdade que há também os que ‘fluíram’ a coisa sem muito esforço, mas a maioria pena para consegui-lo.

5). Depois que você ‘aprendeu’ a balbuciar as algaravias, você fica dependente delas e não consegue mais orar sem que aquela coisa lhe encha a mente. É maligno! Todos que ‘oram em línguas’ (algaravias) precisam de libertação. Precisam desaprender aquilo que aprenderam. As algaravias atrapalham você de orar, porque a oração deve ser pensada e quando você pronuncia as tais algaravias não precisa pensar em nada, ou pior pode pensar em qualquer coisa, menos no que está falando. É ridículo!

6). Quando numa reunião todos começam a dançar e falar algaravias, uma ‘alegria’ geral toma conta do ambiente e vira uma ‘farra’. Um solta gargalhadas, outro cai ao chão, outro pula, treme, etc… Claro que isso não acontece em todas as reuniões. Mas acontece demais por lá. Os pentecostais são ávidos por ‘novidades’, e não pelas “antigas veredas” (Jer. 6.16).

7). Espiritualidade de fato, nunca vi ali dentro. Vi, isso sim, muita carnalidade. As pessoas ‘falavam línguas’ mas mentiam, roubavam, adulteravam, brigavam, agiam com brutalidade, faziam negócios escusos, enganavam os irmãos, eram insensíveis, deselegantes, etc. Isso tudo eu vi, e não uma só vez, mais muitas vezes. Eu poderia falar indefinidamente, por horas. De modo que o tal ‘enchimento’ do Espírito não adiantava nada.

8). O que fez sair de lá? Primeiro é Deus quem nos abre os olhos. É exatamente como na conversão ou como para alguém sair de uma seita. Só Deus. Mas por outro lado, vários fatores me motivaram a sair daquele movimento. Primeiro eu via que, embora nos dissessem que conosco acontecia exatamente igual como no primeiro século da Igreja, eu nunca vi, nem as línguas, nem os sinais apostólicos, nem as maravilhas que aconteceram no primeiro século. Em mais de 30 anos eu nunca vi algo que realmente me reportasse aos tempos apostólicos. Nunca. Nada. A falsificação é bem ruim. Havia uma preocupação dos pastores com o ‘falso’, isto é, crê-se que muito do que acontece no meio pentecostal é falso, mas que existe o verdadeiro. Mas enquanto se está atrás do suposto ‘verdadeiro’ todos acabam envolvendo-se com o falso.

9). Eu via que na Bíblia era muito diferente. E ficava deprimido por não ver acontecendo aquilo em nosso meio. Claro, nem podia ser diferente, pois a época dos milagres apostólicos já passou. Os apóstolos passaram. Os sinais dados por Deus para autenticar a mensagem apostólica também ficaram no passado. Demorei para entender isso, mas entendi a tempo. Li muitos livros antigos, dos homens sérios do passado. Então vi que algo estava errado. Ou com eles ou conosco.

10). Eu aprendi a observar a história da Igreja. Temos muito a aprender com a história. A Igreja de Cristo existiu na terra por 1900 anos sem o movimento pentecostal. Irmãos e irmãs, enfrentaram Roma, os Césares, os Papas; encararam as feras, as arenas, as fogueiras, escreveram livros que nos abençoam até hoje, e tudo isso fizeram ‘sem o Espírito’??? Será que aqueles irmãos não foram cheios do Espírito??? Segundo os pentecostais, só eles têm o Espírito e essa bênção foi ‘descoberta’ só pelo final do século XIX e século XX. Teria Deus deixado Sua Igreja na terra por 19 séculos sem uma bênção tão especial e necessária??? E se aqueles irmãos do passado não tinham essa bênção, como conseguiram enfrentar o que enfrentaram? Vencer e trazer a ‘chama do Evangelho’ até nossa geração? E mais, se eles não receberam o Espírito Santo porque não buscaram, então eles cometeram um grande erro. O fato é que eles foram muito diferentes dos crentes das últimas gerações. Então ou eles erraram lá ou nós erramos cá. Os dois grupos não podem estar certos. Um dos dois está errado. E eu prefiro crer os irmãos (remanescentes) daqueles 19 séculos estavam certos, e os pentecostais estão errados.

11). Há alguns anos fizemos um estudo sobre os efeitos do movimento pentecostal sobre a Igreja, seus principais expoentes, e vimos que esse movimento dividiu, criou inimizades, e seus principais lideres se envolveram com falsos ensinos, heresias, escândalos morais, crimes, etc. Por esse estudo eu vi onde desembocou esse movimento. Toda heresia, toda irreverência, toda adulteração nos cultos, todo mundanismo dentro das igrejas, todo comércio vergonhoso do evangelho que vemos hoje, tudo isso teve sua origem no movimento pentecostal. Se não tudo, pelo menos 99%. Disso estou certo. Outra coisa que chamou-me a atenção foi que todos os livros profundos sobre teologia, comentários bíblicos, etc, foram escritos por não-pentecostais. Dos escritores e teólogos pentecostais só li coisas superficiais e de pouca utilidade.

12). A experiência (negativa) também ajudou bastante em minha decisão de abandonar o pentecostalismo. Eu havia sido ensinado a não aceitar nenhuma doença. Contudo eu tenho enxaqueca e nunca fui curado. Deus tem orientado o tratamento e hoje estou muito melhor. Deus me ensinou que ninguém tem o dom de curar hoje. Ele cura, quando assim deseja, mas se não, Ele irá sustentar nossa vida com Sua graça. E esse é o melhor para nós. Contudo, vi pessoas declarando que estavam saudáveis, confessando que não estavam doentes, que não aceitavam nem mesmo o diagnóstico médico, as vi morrerem doentes e ‘brigando’ com Deus e revoltadas com Ele. Minha esposa é médica. Ela me conta que atende inúmeras pessoas evangélicas, principalmente das igrejas pentecostais, que estão doentes, deprimidas, agitadas, perturbadas emocionalmente, desequilibradas. Muitas dessas pessoas são líderes em suas igrejas (pastores, presbíteros, líderes de célula, líderes coral, integrantes de bandas, etc. Hoje eu sei que o pentecostalismo faz muito mal à saúde das pessoas.

13). Se você falar com um pentecostal, talvez ele aceite que existe muita coisa falsa por lá – línguas falsas, curas falsas, revelações falsas – mas ele continua crendo que existe o verdadeiro. Agora, eu nunca vi nada ali que fosse digno de ser testemunhado. De fato, tenho é muita vergonha do meu tempo no pentecostalismo. Mas creio que o Deus Soberano usa todas as coisa para nos ensinar.

14). Outra observação que me fez aborrecer o pentecostalismo foi quando comprovei que não éramos os únicos que ‘falávamos em línguas’ (algaravias), mas que isso era também ‘privilégio’ dos Católicos Carismáticos, adoradores da ‘Virgem Maria’ (ou melhor, da Deusa-Mãe), também dos Espíritas, invocadores de estranhas entidades, e também dos Mórmons que seguem o falso profeta Joseph Smith e seu ‘anjo’ Moroni, e que até os Hindus e Maometanos ‘falam línguas’ (algaravias). Quando vi que os pentecostais estavam na mesma categoria dessas seitas, isso me enjoou. E não apenas eles manifestam as ‘algaravias’, mas também fazem ‘curas e milagres’ muito parecidos com os curandeiros pentecostais.

15). O crescimento espantoso do movimento pentecostal também me ‘incucou’. O Senhor Jesus disse que a porta é estreita e o caminho apertado e são poucos os que acertam-nos. Então, multidões não entram pela porta estreita e sim pela larga. Elas não andam no caminho restrito e sim no espaçoso e liberal. Quando os pentecostais proclamam que estamos vivendo um grande avivamento, caem num ridículo porque nunca tivemos uma geração de crentes ‘incrédulos’, desobedientes, mundanos, imorais. Políticos evangélicos são corruptos, cantores gospel são verdadeiros mercadores, pastores, ou bispos, bispas, apóstolos e apóstolas são ‘trambiqueiros’. Nunca se barateou tanto a mensagem do evangelho, nunca se vulgarizou tanto a mensagem da cruz do Calvário, nunca as coisas estiveram tão vergonhosas. Avivamento? Onde? O que vemos, isto sim, é um ‘reavivamento’ do paganismo, do espiritualismo, do misticismo, da fé metafísica. Mas não um avivamento da Igreja de Cristo. Ainda não.

16). Quem está fora do pentecostalismo percebe que eles dão uma ênfase no Espírito Santo em detrimento de Jesus Cristo. Mas o que ocorre é pior que isso. Nem mesmo o Espírito Santo recebe qualquer honra ali. Quando eles enfatizam o Espírito Santo é só por causa do Seu poder. Tudo o que querem é o poder do Espírito para fazerem maravilhas. Então, de fato, nem mesmo é a Pessoa do Espírito que enfatizam, mas o poder dele. E não querem o poder do Espírito para serem bons esposos, bons pais, bons cidadãos, bons políticos, bons ministros de Cristo, mas querem ser ‘poderosos’ para serem adorados como pequenos deuses. É só por isso que falam muito no Espírito Santo.

17). Li sobre os ‘antídotos’ que vocês sugeriram para resguardar as igrejas sadias (batistas) do veneno do pentecostalismo. Achei-os bons, mas temos que ser absolutamente radicais. Não podemos ceder nem num milímetro. Se abrirmos um milímetro o mal entra e aí não há limites. Vejo que muitos batistas e outros crentes históricos pensam que a coisa não é tão grave. Digo que é muito pior do que se pode imaginar. Por isso precisamos nos humilhar debaixo das mãos de Deus e lhe pedir misericórdia.

Autor: Nelson Nincao
Fonte: Palavra Prudente

  1. 03/04/2013 às 11:33

    Só achei muito generalizado, pois o Pentecostalismo nada mais é do que aquelas igrejas que creem no dom do Espirito Santo, de acordo com os ensinamentos de Cristo e de seus apóstolos.
    As práticas citadas acimas, não são práticas de servos fiéis de Jesus Cristo, mas não é porque essas ‘igrejas’ agem assim, que devemos condenar todas as igrejas pentecostais que existem.
    Eu mesmo faço parte de uma igreja pentecostal, que acredita no poder do Espirito Santo, mas de acordo com a bíblia, sem de modo nenhum nos esquecermos de Jesus, que é quem nos salvou.
    Condenar todas as igrejas pentecostais por causa das práticas de algumas igrejas, é o mesmo que o mundo faz com os nossos pastores, por causa de alguns que só querem o dinheiro dos fiéis, o mundo acusa todos de serem iguais, o que é errado, pois sabemos que existem pastores sérios, comprometidos com Jesus e sua obra.
    Também não concordo quando você associa as igrejas sadias com as igrejas batistas, como se só essas igrejas fossem sadias, pois existem muitas igrejas sadias por aí, porque não é a denominação que determina se uma igreja é sadia ou não, e sim as pessoas que congregam ali. Infelizmente falando desse jeito, você comete o mesmo erro que Elias, que não sabia que ainda tinham 7.000 que se dobraram a baal e achava que era o único que ainda era fiel a Deus.

    Se lembre, tudo isso que está acontecendo, já tinha sido anunciado por Cristo, ou seja, em breve o Cordeiro de Deus aparecerá sobre as nuvens, ao som da trombeta e rodeado por seus anjos, e virá buscar aqueles que foram fiéis, não importa de qual denominação.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s