A guerra nada santa dos pastores

O líder da Igreja do Evangelho Quadrangular é acusado, entre outras coisas, de tramar a morte de desafetos

A Igreja do Evangelho Quadrangular é um portento religioso: tem 3 milhões de membros, cerca de 15000 igrejas espalhadas pelo país e uma arrecadação anual estimada em meio bilhão de reais. Presidida pelo pastor Mário de Oliveira, que está no exercício do sétimo mandato de deputado federal, a instituição se orgulha principalmente do trabalho de assistência social que realiza, inclusive no exterior. Seus líderes gostam de repetir, por exemplo, que enviaram mais alimentos às vítimas do tsunami que varreu a Ásia, em dezembro de 2004, do que o governo brasileiro. "Pregamos uma vida cristã ilibada e de honestidade. Uma vida regrada, sem envolvimento com vícios, com a corrupção", diz Oliveira. Esse receituário é nobre e comum à maioria das designações religiosas. No caso da Igreja do Evangelho Quadrangular, merece destaque por uma aparente contradição. Mário de Oliveira, que é presidente da instituição há dezesseis anos, é acusado por dois pastores de não seguir o que prega. Mais do que isso: de subverter tudo o que qualquer religião proclama ao encomendar a morte de duas pessoas, ludibriar as instituições e enriquecer à custa de fiéis.
Essas acusações foram feitas formalmente, em 19 de fevereiro passado, na Superintendência da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul. Partiram do pastor Osvaldeci Nunes, que privou da intimidade do deputado Mário de Oliveira durante cerca de quatro anos. Num depoimento que durou sete horas, Osvaldeci Nunes contou que, em 2009, o presidente da Igreja do Evangelho Quadrangular lhe pediu para contratar um pistoleiro para matar Maria Mônica Lopes, ex-cunhada do parlamentar.

Continuar lendo A guerra nada santa dos pastores

Terra Nova tem os outros apóstolos aos seus pés

 

Nós já abordamos algumas vezes esta obsessão por HONRA no Ministério Internacional da Restauração, ou MIR 12, como é conhecido. Uma doutrina que é a base da sustentação administrativa de uma estrutura eclesiástica dispersa, como é a celular e que só agora está sendo reconduzida à comunidades, por questões relacionadas ao controle financeiro, claro.

Quem honra não sai da cadeia de comando, assim disse o "sinhô".

Em matéria recente  falamos da importância econômica das peregrinações aos eventos nacionais e internacionais para a cúpula do movimento e, apesar das negativas dos participantes do MIR nos "comentários" à referida matéria, eis que apresento o site da nova administradora deste rico mercado cativo de encontros e viagens tremendas. http://www.tngroup.com.br/novo/index.php

Na essência, o MIR12 é hoje uma grande franquia,

Continuar lendo Terra Nova tem os outros apóstolos aos seus pés

É correto dizer que estamos debaixo da Cobertura Espiritual de outra pessoa?

 

Pr. Giuliano Miotto

Nestes últimos dias, os quais a Palavra de Deus nos alertou que seriam muito difíceis e que um de seus sinais é de que os homens seriam “egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem,traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder” (2 Tm 3:2-5), estamos vendo uma tremenda proliferação, sem precedentes, de denominações, facções e “tribos” no meio evangélico, cada uma andando em sua “visão” ou direção, algumas até declarando que são os portadores da única “visão” válida de Deus para os últimos dias.

Continuar lendo É correto dizer que estamos debaixo da Cobertura Espiritual de outra pessoa?