Arquivo

Posts Tagged ‘peter wagner’

DIANTE DO TRONO… QUAL TRONO?

ALEXANDRE RODRIGUES

Em primeiro lugar quero dizer que não conheço Ana Paula e sua equipe e portanto nada tenho contra eles de crítica pessoal. Mas, sobre o que eles ensinam e praticam e é de conhecimento público…

Segue abaixo um comentário:

O ministério DT parece ser o resultado de um "empurrão" do pessoal do "Christ For The Nations" (do Texas) para a Ana Paula, que lá estudou e foi treinada nas técnicas e doutrinas neopentecostais. Já, André Valadão irmão dela fez treinamento na escola Rhema, do Keneth Haggin (também nos EUA). Por acaso os dois estiveram por lá justamente na época (década de 90) em que estavam se aliando as forças mundiais do cristianismo radical, que se propunha converter o mundo todo até o ano 2000, ou pelo menos lançar as bases para cumprir a grande comissão custasse o que custasse. Esta turma inclui: seminário Fuller, Vineyards, Toronto Airport Vineyard, profetas de Kansas City, pregadores da prosperidade e riso, Paul Cain e os veterenos do movimento "chuva serôdia", os dominionistas e certas alas ecumênicas e carismáticas do catolicismo romano. Mais recentemente a turma incluiu: líderes da JOCUM e do Dawn Ministries, além de obviamente o G12, que tem se tornado a menina dos olhos da turma toda.

Leia mais…

Anúncios

CARTA ABERTA A PETER WAGNER, DUTCH SHEETS E DEMAIS “APÓSTOLOS”

Alerta aos "Apóstolos"!

Andrew Strom

Tradução de João A. de Souza Filho

Esses dias li um relatório da nova “rede apostólica” liderada por Dutch Sheets que fez algumas reuniões na Flórida para “arrumar novos territórios” para seus apóstolos etc. Preciso escrever o que o Senhor diria a esses homens.

Primeiramente quero que nos lembremos de algumas coisas. No dia 23 de junho de 2008 um grupo de “apóstolos e profetas” sob a liderança de Peter Wagner subiu na plataforma em Lakeland, Flórida nas reuniões de avivamento de Todd Bentley, para impor as mãos sobre este evangelista e comissioná-lo ao ministério. Fizeram mais que isto: Peter Wagner chamou aquele momento de “alinhamento apostólico”. E fez a seguinte declaração diante das câmeras e de todo o povo:

Eu uso da autoridade apostólica que Deus me deu, e declaro a Todd Bentley:

  • O poder que você tem aumentará;
  • A autoridade que você tem também aumentará.
  • A graça (de Deus) em você aumentará.
  •   Também declaro que:

  • Sua influência crescerá
  • Sua revelação aumentará.
  • E também declaro que:

  • Um poder sobrenatural novo fortalecerá você e fluirá em seu ministério.
  • Uma força nova e poderosa penetrará nesse mover de Deus.

As pessoas pensam que Peter Wagner estava “profetizando” quando disse essas palavras, mas, na realidade ele estava “decretando” tais coisas a Todd Bentley, já que Peter Wagner encabeçou aquele momento como “apóstolo chefe”. No dia seguinte, numa carta, Peter Wagner chamou aquele momento de “evento rompedor” e declarou: “Chegamos ao ponto que podemos chamar de segunda era apostólica…” (Em outras palavras, uma nova era de apóstolos verdadeiros.

A pergunta que lhe faço,

Leia mais…

Pragmatismo na Igreja: Uma Religião Orientada Para Resultados e Que Abre a Porta Para o Anticristo — Uma Apostasia com Propósitos – Capítulo 1

Capítulo 1: A Verdadeira Igreja Cristã

 

Em seu livro Biblical Separation [Separação Bíblica], o Dr. Ernest Pickering faz a seguinte pergunta: "O que caracteriza uma igreja verdadeira?".

Proposição: uma igreja verdadeira é uma assembléia de pessoas que compartilham uma experiência comum de fé em Jesus Cristo.

Quem é Jesus Cristo? Você se refere ao Jesus Cristo humano dos modernistas ou o Jesus Cristo, a teantrópica Segunda Pessoa da Trindade? Você se refere ao Jesus Cristo dos maometanos, dos gnósticos, dos aderentes da Nova Era, ou o neo-ortodoxo? Você se refere a este Cristo ou a algum outro Cristo?

O que você quer dizer com compartilhar uma experiência? Essa experiência depende do recebimento de sacramentos, batismo, ou alguma outra ordenança religiosa? Depende da realização de um ato de caridade, filantropia, ou auto-anulação? Você professa ter a experiência de "nascer de novo", mas o que quer dizer com "nascer de novo"?

Até que ponto a sã doutrina é necessária para uma igreja ser verdadeira? Ao afastar-se da sã doutrina, em que ponto uma igreja cessa de ser uma igreja verdadeira? (1).

A essência dessa linha de raciocínio baseia-se no fato que Lúcifer declarou uma guerra de enganação contra a igreja. Logo após a igreja primitiva ter sido formada, ela foi cruelmente atacada pela infusão cabalista, gnóstica e pagã. Os falsos mestres segmentaram e corromperam as doutrinas cruciais da igreja, o que levou às diversas filosofias heréticas adotadas até mesmo por muitos daqueles que eram contados entre os "Pais da Igreja". Como resultado dessa conspiração satânica, as advertências contra os falsos mestres aparecem em todas as epístolas do Novo Testamento. Uma dessas advertências é sucintamente apresentada em 2 Pedro 2:1-2:

Leia mais…

Pragmatismo na Igreja: Uma Religião Orientada Para Resultados e Que Abre a Porta Para o Anticristo — Uma Apostasia com Propósitos – Capítulo 2

Capítulo 2: As Origens da Moderna Apostasia

 

A filosofia da Educação Orientada Para Resultados — o fim justifica os meios — em si mesma não necessariamente a condena como uma pedagogia falha. A fonte básica de disputa sobre as origens questionáveis da EOPR provém dos resultados questionáveis e "politicamente corretos" que ensinam habilidades de aprendizagem afetivas, em vez de cognitivas. Embora resultados como cidadania, integridade e ética do grupo de trabalho possam parecer admiráveis à primeira vista, podem essas habilidades substituir a competência em línguas, matemática e ciências? Em outras palavras, quando se caracteriza a EOPR, nem mesmo o fim é justificado — muito menos os meios.

Em contraste, a filosofia “o fim justifica os meios” é precisamente o que condena a Religião Orientada Para Resultados desde o princípio. Quando se envolve o trabalho de Deus, O FIM NUNCA JUSTIFICA OS MEIOS. Basicamente, o trabalho de Deus é para ser feito da maneira de Deus. Mesmo resultados claramente espirituais, como a evangelização em massa e o crescimento exponencial da igreja devem ser tratados dentro dos limites da metodologia esquematizada nas Escrituras. Como visto nas passagens ilustradas no Capítulo 1, a cooperação, colaboração, e/ou comparação com os ímpios em esforços religiosos são especificamente proibidas nas Escrituras, e usar os resultados desses esforços como justificativa do método é um sério desvio dos ensinos da Palavra de Deus. Além disso, a mentalidade “o fim justifica os meios” é o caminho certo para uma profunda apostasia. Uma vez que as Escrituras são ignoradas em uma área, outro desvio logo ocorrerá. O “efeito bola de neve” evidenciado pela história então leva um corpo religioso após o outro de pequenas contemporizações a um completo afastamento da verdade. Essa apostasia sorrateira é muito sutil e deve-se olhar para a história e entender a batalha pela pura e verdadeira igreja para combater a natureza enganadora da apostasia.

Leia mais…

Pragmatismo na Igreja: Uma Religião Orientada Para Resultados e Que Abre a Porta Para o Anticristo — Uma Apostasia com Propósitos – Capítulo 3

Capítulo 3: A Apostasia no Século XX Até 1965

Os homens do século XIX que moldaram as filosofias que iriam permear o futuro da sociedade tinham pouco em comum: Charles Darwin era formado em teologia, Charles Lyell era advogado, Thomas Huxley tinha uma graduação duvidosa em medicina, Jean-Baptiste Lamarck e Herbert Spencer não tinham nenhuma educação formal, Hegel e Marx tinham formação em filosofia. Entretanto, uma coisa que todos eles compartilhavam era o ódio a Deus e ao cristianismo bíblico. Até mesmo Wescott e Hort negaram a inerrância das Escrituras, e estavam determinados a remover a tradução do Textus Receptus do alcance do público. Esses foram os homens que lançaram o fundamento para as batalhas espirituais a serem travadas em todo o século XX — um século que veria organizações religiosas se desviarem da verdade, o surgimento da nação de Israel, as profecias do fim dos tempos tornarem-se realidade, e a enganação da Religião Orientada Para Resultados.

O mundo no início do século XX estava grandemente mudado em relação ao que existia no início do século XIX. As invenções e a produção em massa da Revolução Industrial provocaram uma transição rápida no mundo ocidental de uma sociedade agrária para uma sociedade consumidora e, com a deflagração da Primeira Guerra Mundial, a mecanização avançada do mundo foi exibida na tecnologia da guerra moderna. Esse "admirável mundo novo" retornou dos horrores da guerra mundial com a reação filosófica exibida em uma tentativa da elite de estabelecer um governo mundial por meio da Liga das Nações. Sem o apoio dos Estados Unidos, essa organização falhou, mas as sementes de globalismo tinham sido plantadas na psiquê moderna. Além disso, a idéia do Reino de Deus na Terra foi expandida além das fronteiras do Império Britânico para uma liga honrada de todas as nações:

"’A Liga de Nações’, disse o arcebispo de Canterbury em Genebra, ‘pode fazer muito para tornar o Reino de Deus uma realidade em nossas vidas… ‘A Liga de Nações’, diz o Dr. Jowett, tem como alvo ‘a transformação do reino deste mundo no Reino de Deus’" [1].

No centro dessa nova mentalidade do "pensamento de grupo" estavam organizações ocultistas e iluministas muito bem financiadas, como a Sociedade Teosófica, a Lucis Trust, e a Sociedade Fabiana, que finalmente promoveram os conceitos de socialismo dentro do pensamento corrente. Em 1925, foi acrescentado o elemento de darwinismo na consciência

Leia mais…

Pragmatismo na Igreja: Uma Religião Orientada Para Resultados e Que Abre a Porta Para o Anticristo–Capítulo 4

Capítulo 4: O Fundamentalismo nos Anos 1950-1975: Uma Casa Construída Sobre a Areia

"Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; e desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha. E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda." [Mateus 7:24-27].

Como podemos medir o sucesso? A medição comum pelo padrão do mundo baseia-se em grande parte na riqueza monetária, ou na acumulação de patrimônio. Por outro lado, freqüentemente, a medida de sucesso para uma igreja local é um assunto de grande debate. Muitos medem o sucesso de uma igreja pelo número de indivíduos que freqüentam as reuniões agendadas. Outros poderiam argumentar que os batismos ou as conversões são uma medida mais precisa de uma congregação local. Alguns mesmo fariam tal avaliação baseando-se na estrutura física dos edifícios, o número de ônibus que recolhem as pessoas para a Escola Dominical, o montante de doações e ofertas, ou outros bens amealhados, como a medida final do sucesso. Entretanto, a utilização do padrão do mundo como instrumento de medição dos bens espirituais é totalmente inadequada para a avaliação dos esforços. Isso é reiterado pelo princípio das Escrituras que insiste que "o homem vê o que está diante dos olhos, porém Deus olha para o coração" [I Samuel 16:7b]. Portanto, se Deus olha para o coração, não deveria a verdadeira medida de sucesso da igreja local ser o caráter e o desenvolvimento espiritual de cada um de seus membros individuais? A história recente mostra que esse ponto não é apenas freqüentemente negligenciado, mas é também no mínimo parcialmente responsável pela decadência do caráter espiritual dos membros das igrejas em grande medida. Essa mesma omissão é também um fator adicional no desenvolvimento da moderna Religião Orientada Para Resultados.

Leia mais…

Pragmatismo na Igreja: Uma Religião Orientada Para Resultados e Que Abre a Porta Para o Anticristo — Uma Apostasia com Propósitos–Capítulo 5

Capítulo 5: O Movimento Carismático

Os fatores que contribuíram para formar aquilo que veio a ser a Religião Orientada Para Resultados não apareceram da noite para o dia. Os capítulos anteriores descreveram os eventos desde os primórdios da igreja que se tornaram aspectos fundamentais da moderna Religião Orientada Para Resultados. À medida que os componentes remanescentes são colocados para formar o quadro completo, deve-se avaliar meticulosamente todos os principais movimentos religiosos, não somente aqueles que estão baseados de maneira geral no cristianismo, mas particularmente entre os da "Grande Comunidade Evangélica". Lembre-se disso, mesmo que o perigo manifesto do Ecumenismo tenha entrado em hibernação com o crescimento exponencial do fundamentalismo no fim dos anos 60, vê-se, entretanto, que por volta de 1975 o declínio do fundamentalismo já tinha iniciado e a verdadeira igreja estava abertamente vulnerável aos ataques de um engano em grande dimensão. Lúcifer estava muito atento quanto a essa vulnerabilidade e nos anos 70 iniciou aquilo que ficaria conhecido como a "Era do Engano". Esse engano foi caracterizado pela entrada dos princípios panteístas nos anos 60 que, em meados dos anos 70 foi infundido com "termos cristãos" e, eventualmente, culminará na Religião do Mundo Unificado do Anticristo. Um fator importantíssimo que colaborou para esse engano foi a "Segunda Onda" do Movimento Carismático!, que se alastrou e começou a permear os círculos evangélicos e fundamentalistas. Embora as raízes do Movimento Carismático não estejam "baseadas na Bíblia", como é ilustrado no exemplo a seguir, os perigos se estendem muito mais profundamente do que se possa imaginar.

O pastor Burns notou o homem idoso com uma inquietação ansiosa. O pastor era o primeiro a admitir que aquele tivesse sido um culto muito incomum — afinal de contas era a primeira vez que a igreja testemunhava a manifestação dos "dons de línguas", mas com a "interpretação de línguas". Ele achava que todos os requisitos bíblicos tinham sido satisfeitos. Logo após a arenga de Roger Simpson tê-lo rendido imóvel no chão, Norm Turner interpretou as maravilhosas obras de Deus, descritas numa "linguagem angelical", desconhecida dos ouvidos da mesmerizada congregação.

Leia mais…